Transparência Pública Mediada por Computadores: Como estão os ministérios de Moçambique à luz da legislação?

Belchior Pedro Cole, Maurício Vasconcellos Leão Lyrio, Rogério João Lunkes, Marcus Vinicius Andrade Lima

Resumo


A transparência na administração pública é discutida frequentemente em Moçambique. Tem-se notado um esforço para responder à situação através da aprovação de legislação que objetiva regular a transparência na atuação das instituições públicas. Neste contexto, analisaremos o nível de transparência dos ministérios moçambicanos, em seus portais eletrônicos, sob a perspectiva da legislação. Para tanto buscou-se (i) identificar os indica­dores de transparência à luz da legislação moçambicana; (ii) propor um modelo de análise; e (iii) aplicar o modelo para avaliação do nível de transparência nos ministérios. O estudo se configura como descritivo e adota como instrumento de intervenção a Metodologia Multicritério de Apoio à Decisão (MCDA). Concluiu-se que, de maneira geral, os ministé­rios moçambicanos apresentam baixos níveis de transparência em seus portais eletrônicos. Ademais, os resultados sugerem que a transparência não é uma prioridade entre os minis­térios de Moçambique, haja vista que estes sequer cumprem minimamente as exigências legais estabelecidas no país.

Palavras-chave


transparência; ministérios; portais eletrônicos; administração pública

Referências


Albert, I. (2009). Whose e-governance? A critique of online engagement in Africa. African Journal of Political Science and International Relations, 3(4), 133-141.

Aló, C. C. (2009). Uma abordagem para transparência em processos organizacionais utilizando aspectos. Tese de doutorado em Ciências - Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil.

Amorim, P. K. D. F. (2012). Democracia e Internet: A transparência de gestão nos portais eletrônicos das capitais brasileiras. Tese de doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

Armstrong, C. L. (2011). Providing a clearer view: An examination of transparency on local government websites. Government Information Quarterly, 28(1), 11-16.

Ball, C. (2009). What is transparency? Public Integrity, 11(4), 293-307.

Bhattacharya, D., Gulla, U., & Gupta, M. P. (2012). E-service quality model for Indian government portals: Citizens perspectives. Journal of Enterprise Information Management, 25(3), 246-271.

Bortoluzzi, S. C., Ensslin, S. R., Lyrio, M. V. L., & Ensslin, L. (2011). Avaliação de desempenho econômico-financeiro: Uma proposta de integração de indicadores contábeis tradicionais por meio da Metodologia Multicritério de Apoio à Decisão Construtivista (MCDA-C). Revista Alcance (online), 18(2), 200-218.

Bowen, P. A., Edwards, P. J., & Cattell, K. (2012). Corruption in the South African construction industry: A thematic analysis of verbatim comments from survey participants. Construction Management and Economics, 30(10), 885-901.

Bryman, A. (1988). The nature of quantitative research. In A. Bryman (Ed.), Quantity and quality in social research. Londres: Unwin Hyman.

CIP (Centro de Integridade Pública). (2008). Legislação anti-corrupção em Moçambique. Maputo: CIP.

Cole, B., et al. (2015). The methodological profile of scientific publications on public transparency: An analysis of the African scenario. African Journal of Business Management, 9(5), 196-205.

Collins, J., Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação (Trad. L. Simonini) (2ª ed.). São Paulo: Bookman.

Conglianese, C. (2009). The transparency president? The Obama administration and open government. Governance, 22(4), 529-544.

Cruz, C. F., et al. (2010). Transparência na gestão pública municipal: Um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 46(1), 153-176.

Cucciniello, M., Porumbescu, G. A., & Grimmelikhuijsen, S. (2017). 25 years of transparency research: Evidence and future directions. Public Administration Review, 77(1), 32-44.

De Maria, W. (2008). Measurements and markets: Deconstructing the corruption perception index. International Journal of Public Sector Management, 21(7), 777–797.

Dza, M., Fisher, R., & Gapp, R. (2013). Service-dominant logic and procurement in Africa: Lessons learned from a development agenda in Ghana. International Journal of Economic Policy in Emerging Economies, 6(2), 141-157.

Flórez, M. (2008). En busca de mayores niveles de transparencia en la gestión municipal: Índice de Transparencia Municipal. In J. L. Álvarez (Org.), Transparencia y lucha contra la corrupción en el ámbito iberoamericano: Experiencias y recomendaciones (pp. 17-32). Madrid: Transparency International España.

Georgescu, M. (2008). The government in the digital age: Myths, realities and promises. Social Science Research Network – SSRN.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Gomes Filho, A. B. (2005). O desafio de implementar uma gestão pública transparente. X Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Santiago, Chile, 18-21 de outubro de 2005.

Grimmelikhuijsen, S. (2012). Linking transparency, knowledge and citizen trust in government: An experiment. International Review of Administrative Sciences, 78(1), 50-73.

Grimmelikhuijsen, S., & Meijer, A. J. (2012). Effects of transparency on the perceived trustworthiness of a government organization: Evidence from an online experiment. Journal of Public Administration Research and Theory, 24(1), 137-157.

Grimmelikhuijsen, S., Porumbescu, G., Hong, B., & Im, T. (2013). The effect of transparency on trust in government: A cross-national comparative experiment. Public Administration Review, 73(4), 575-586.

Halchin, L. E. (2004). Electronic government: Government capability and terrorist resource. Government information Quarterly, 21(4), 406-419.

Heald, D. (2003). Fiscal transparency: Concepts, measurement and UK practice. Public Administration, Malden, 81(4), 723-759.

Hood, C. (2006). What happens when transparency meets blame-avoidance? Public Management: An International Journal of Research and Theory, 1461-667X, 1470-1065.

INE (Instituto Nacional de Estatística). (2010). Inquérito dos agregados familiares (IAF). Maputo: INE.

Keng, S., & Long, Y. (2005). Synthesizing e-government stage models – A metasynthesis based on meta-ethnography approach. Industrial Management & Data Systems, 105(4), 443-458.

Kuunifaa, C. D. (2012). Access to information legislation as a means to achieve transparency in Ghanaian governance: Lessons from the Jamaican experience. IFLA Journal, 38(2), 175-186.

Lyrio, M. V. L., Dellagnelo, E. H. L., & Lunkes, R. J. (2013). O perfil metodológico da produção científica em orçamento público: Uma analise do cenário brasileiro na primeira década do século XXI. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 3(1), 90-106.

Lyrio, M. V. L., Lunkes, R. J., & Taliani, E. T. C. (2016). Transparency in the contexts of Brazilian and Spanish governments: Proposal of a model for comparative analysis. XX IRSPM Conference: Collaborative, globalized and interdisciplinary: Moving the public management debate forward, Hong Kong, China, 13-15 de abril de 2016.

Lyrio, M. V. L., Lunkes, R. J., & Taliani, E. T. C. (2018, 8 de fevereiro). Thirty years of studies on transparency, accountability, and corruption in the public sector: The state of the art and opportunities for future research. Public Integrity, pp. 1-22.

Marisa, S., Uate, R., & Perreira, M. (2014). Governação electrónica e acesso à informação em Moçambique. Maputo: Associação Centro de Direitos Humanos.

Meijer, A. J. (2013). Understanding the complex dynamics of transparency. Public Administration Review, 73(3), 429-439.

Meijer, A. J. (2015). Government transparency in historical perspective: From the ancient regime to open data in The Netherlands. International Journal of Public Administration, 38(3), 189-199.

Mello, G. R. (2009). Estudo das práticas de governança eletrônica: Instrumento de controladoria para a tomada de decisões na gestão dos estados brasileiros. Tese de doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, Brasil.

Moçambique. (1990). Constituição da República de Moçambique. Maputo: Imprensa Nacional.

Moçambique. (2000). Resolução n° 28/2000, de 12 de Dezembro. Política Nacional de Informática. Boletim da República, I Série, n.º 49, 3º Suplemento. Maputo: Imprensa Nacional.

Moçambique (2001). Lei n.º 30/2001, de 15 de Outubro. Normas de funcionamento da administração pública. Boletim da República, I Série, n.º 45. Maputo: Imprensa Nacional.

Moçambique. (2004). Constituição da República de Moçambique. Maputo: Imprensa Nacional.

Moçambique. (2014). Lei n.º 34/2014, de 31 de Dezembro. Regula o acesso à informação na administração pública. Boletim da República, I Série, n.º 12. Maputo: Imprensa Nacional.

Musso, J., Weare, C., & Hale, M. (2000). Designing Web technologies for local governance reform: Good management or good democracy. Political Communication, 17(1), 1-19.

Mutula, S., & Wamukoya, J. M. (2009). Public sector information management in east and southern Africa: Implications for FOI, democracy and integrity in government. International Journal of Information Management, 29(5), 333-341.

Ngulube, P. (2007). The nature and accessibility of e-government in sub-Saharan Africa. International Review of Information Ethics, 7(9), 1-13.

Nunes, G. S. F. (2013). Avaliação da transparência pública à luz da legislação brasileira: Um estudo nos municípios da região sul do Brasil. Dissertação de mestrado em Contabilidade, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

OECD (Organisation for Economic Cooperation and Development). (2001). OECD best practices for budget transparency. Paris: OECD.

Oliveira, J. R. S., & Martinez, A. L. (2007). A contabilidade e o hipertexto: Um estudo sobre o uso de websites como meio de disseminação científica contábil por instituições de ensino superior brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 18(43), 97-108.

ONU (Organização das Nações Unidas). (2012). E-Government survey 2012. Nova York: ONU.

ONU (Organização das Nações Unidas). (2014). E-Government survey 2014. Nova York: ONU.

Papenfuss, U., & Schaefer, C. (2010). Improving public accountability by aligning reporting to organizational changes in public service provision – An empirical Internet study of all Austrian, German and Swiss towns and states from an agency-theory perspective. International Review of Administrative Sciences, 76(3), 555-576.

Pasquier, M., & Villeneuve, J. (2005). Transparence et accès à l’information: Typologie des comportements organisationnels des administrations publiques visant à limiter l’accès à l’infomation. Lausanne: Institut de hautes études en administration publique (IDHEAP).

Pinho, J. A. G. (2008). Investigando portais de governo eletrônico de estados no Brasil: Muita tecnologia, pouca democracia. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, 42(3), 471-493.

Platt Neto, O. A. (2005). Construção de um modelo para avaliação da transparência da gestão da dívida pública municipal com vistas a favorecer o controle social. Tese de doutorado em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Platt Neto, O. A. et al. (2007). Publicidade e transparência das contas públicas: Obri-gatoriedade e abrangência desses princípios na administração pública brasileira. Contabilidade Vista & Revista, 18(1), 75-94.

Porumbescu, G. (2017). Linking transparency to trust in government and voice. The American Review of Public Administration, 47(5), 520-537.

Raupp, F. M. (2011). Construindo a accountability em câmaras municipais do estado de Santa Catarina: Uma investigação nos portais eletrônicos. Tese de doutorado em Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

Raupp, F. M. (2014). Prestação de contas de executivos municipais de Santa Catarina: Uma investigação aos portais eletrônicos. Revista Administração Pública e Gestão Social, 6(3), 151-158.

Ruijer, E., & Meijer, A. J. (2016). National transparency regimes: Rules or principles? A comparative analysis of the United States and The Netherlands. International Journal of Public Administration, 39(11), 1-14.

Silva, L. M. (2009). Contabilidade governamental: Um enfoque administrativo da nova contabilidade pública (8ª ed.). São Paulo: Atlas.

Simione, A. A. (2014). A modernização da gestão e a governança no setor público em Moçambique. Revista de Administração Pública, 48(3), 551-570.

Song, C., & Lee, J. (2016). Citizens use of social media in government, perceived transparency, and trust in government. Public Performance and Management Review, 39(2), 430-453.

Staroscky, E. A., Nunes, G. S. F, Lyrio, M. V. L., & Lunkes, R. J. (2013). Transparência no setor público municipal: Uma análise dos portais municipais das prefeituras atendidas pela Secretaria de Desenvolvimento Regional de Chapecó (SC). Disponível em: http://www.otoc.pt/​news/​comcontabaudit/​pdf/​111.pdf (acedido em 4 de fevereiro de 2014).

Tolbert, C., & Mossberger, K. (2006). The effects of e-government on trust and confidence in government. Public Administration Review, 66(3), 354-369.

Torres, M. D. F. (2004). Estado, democracia e administração pública no Brasil (1ª ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Tristão, G. (2002). Transparência na administração pública. VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Lisboa, Portugal, 8-11 de outubro.

Vishwanath, T., & Kaufmann, D. (1999). Towards transparency in finance and governance. The World Bank Draft (pp. 1-30).

West, D. M. (2004). E-government and the transformation of service delivery and citizen attitudes. Public Administration Review, 64(1), 15-27.

Witvliet, M. I., Kunst, A. E., Arah O. A., & Stronks, K. (2013). Sick regimes and sick people: A multilevel investigation of the population health consequences of perceived national corruption. Tropical Medicine & International Health, 18(10), 1240-1247.

Zuccolotto, R., Teixeira, M. A. C., & Riccio, E. L. (2015). Transparência: Reposicionando o debate. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(25), 137-158.


Apontadores

  • Não há apontadores.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.