“Sempre Vassalo Fiel de Sua Majestade Fidelíssima”: Os autos de vassalagem e as cartas patentes para autoridades locais africanas (Angola, segunda metade do século XVIII)

Ariane Carvalho da Cruz

Resumo


Este artigo aborda a associação entre a guerra, a militarização e as relações políticas dos portugueses com os chefes locais (sobas e dembos), muitas vezes usadas como recurso para o desenvolvimento dos interesses comerciais em Angola durante o século XVIII. Por meio dos autos de vassalagem assinados pelos chefes locais e as cartas patentes recebidas por estes homens, analisa-se a relação estabelecida entre portugueses e africanos. Com isso, busca-se compreender melhor a dinâmica do comércio de escravos, a incorporação de cargos africanos na estrutura militar portuguesa e o modo como a coexistência de poderes e hierarquias portugueses e africanos foi condição sine qua non para a manutenção do domínio português em Angola.

Palavras-chave


Angola; guerra; administração colonial; vassalagem; negociação; territorialização

Texto Completo:

PDF

Referências


Ato de obediência, sujeição e vassalagem que ao muito alto e poderoso rei fidelíssimo dom José o I, nosso senhor, e seus reais sucessores faz nas mãos do ilustríssimo e excelentíssimo senhor dom Francisco Inocêncio de Sousa Coutinho, governador e capitão general destes reinos e suas conquistas, o potentado Holo Marimba Goge, por seus embaixadores dom Thomás Planga-a-Temo, Holo-Ria-Quibalacace e Quienda. (1858). In Annaes do Conselho Ultramarino, Parte não oficial, Série I (pp. 523-547). Lisboa: Imprensa Nacional.

Bluteau, R. (1712-1728). Vocabulario portuguez & latino: Aulico, anatomico, architectonico... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus (vol. 3). In http://www.brasiliana.usp.br/en/dicionario/1/dom (consultado em 20 de fevereiro de 2014).

Candido, M. (no prelo, 2014). Jagas e sobas no “Reino de Benguela”: Vassalagem e criação de novas categorias políticas e sociais no contexto da expansão portuguesa na África durante os séculos XVI e XVII.

Candido, M. P. (2011). Fronteras de esclavización: Esclavitud, comercio e identidad en Benguela, 1780-1850 (M. C. Lozano, Trad.). México, D. F.: El Colegio de México.

Carvalho, F. M. de. (2013). Os homens do rei em Angola: Sobas, governadores e capitães mores, séculos XVII e XVIII. Tese de doutoramento, Departamento de História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.

Carvalho, A. (2014). Militares e militarização no Reino de Angola: Patentes, guerra, comércio e vassalagem (segunda metade do século XVIII). Dissertação de mestrado, pós-graduação em História, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, Brasil.

Corrêa, E. A. da S. (1937). História de Angola (vols. I e II). Lisboa: Agência Geral das Colónias.

Couto, C. (1972). Os capitães-mores em Angola no século XVIII. Subsídio para o estudo da sua actuação. Luanda: Instituto de Investigação Científica de Angola.

Cruz e Silva, R. (2004). The saga of Kakonda and Kilengues: Relations between Benguela and its interior, 1791-1796. In Curto, J. C., & Lovejoy, P. E. (Eds.), Enslaving connections: Changing cultures of Africa and Brazil during the era of slavery. Nova Yorque: Humanity Books.

Falcon, F. J. C. (1993). A época pombalina (Política econômica e monarquia ilustrada) (2a ed.). São Paulo: Ática.

Maxwell, K. (1996). Marquês de Pombal: Paradoxo do Iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Ferreira, R. A. (2003). Transforming Atlantic slaving: Trade, warfare and territorial control in Angola, 1650-1800. Tese de doutoramento em História, University of California, Los Angeles, USA.

Ferreira, R. (2012). Cross-cultural exchange in the Atlantic world: Angola and Brazil during the era of the slave trade. Nova Yorque: Cambridge University Press.

Heintze, B. (2007). Angola nos séculos XVI e XVII: Estudos sobre fontes, métodos e história. Luanda: Kilombelombe.

Heywood, L. M. (2009). Slavery and its transformation in the Kingdom of Kongo: 1491-1800. The Journal of African History, 50 (1), 1-22. Doi: 10.1017/S0021853709004228

Hespanha, A. M., & Xavier, Â. B. (s/d). A representação da sociedade e do poder. In Mattoso, J. (Dir.), História de Portugal. O Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Estampa.

Lacerda, P. M. P. de. (1846). Notícia da campanha, e paiz do Mosul, que conquistou o Sargento Mor Paulo Martins Pinheiro de Lacerda, no anno de 1790, até princípio do anno de 1791. Annaes Maritimos e Coloniaes redigidos sob a direção da Associação Maritima e Colonial, Sexta parte, parte não oficial. Lisboa: Imprensa Nacional.

Levi, G. (2000). A herança imaterial: Trajetória de um exorcista do Piemonte no século XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Lovejoy, P. (2002). A escravidão na África: Uma história de suas transformações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Miller, J. (1988). Way of death: Merchant capitalism and the Angolan slave trade, 1730-1830. Madison: University of Wisconsin Press.

Miller, J. (1999). A economia política do tráfico angolano de escravos no século XVIII. In Pantoja, S., & Saraiva, J. F. S. (Orgs.), Angola e Brasil: Nas rotas do Atlântico Sul. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Monteiro, N. G. (2006). D. José: Na sombra de Pombal. Lisboa: Círculo de Leitores.

Olival, M. F. (1999). Honra, mercê e venalidade: As ordens militares e o Estado moderno em Portugal (1641-1789). Dissertação de doutoramento em História Económica e Social Moderna, Universidade de Évora, Portugal. Disponível em: http://hdl.handle.net/10174/11061

Oliveira, I. S. de. (2015). Textos militares e mercês numa Angola que se pretendia “reformada”: Um estudo de caso dos autores Elias Alexandre da Silva Correa e Paulo Martins Pinheiro de Lacerda. Tese de doutoramento em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.

Parreira, A. (1990). Dicionário glossográfico e toponímico da documentação sobre Angola (séculos XV-XVII). Lisboa: Estampa.

Pereira, M. (2006). Rede de mercês e carreira: O “desterro d’Angola” de um militar luso-brasileiro (1782-1789). História. Questões & Debates, 45, pp. 97-127.

Polanyi, K. (1966). Dahomey and the slave trade – An analysis of an archaic economy. Seattle & Londres: University of Washington Press.

Ribeiro, M. da S. (2010). “Se faz preciso misturar o agro com o doce”: A administração de Gomes Freire de Andrada, Rio de Janeiro e Centro-Sul da América portuguesa (1748-1763). Tese de doutoramento em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.

Santos, C. M. (2005). Um governo “polido” para Angola. Reconfigurar dispositivos de domínio (1750-c.1800). Tese de doutoramento em História dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Santos, M. E. M. (2003). Em busca dos sítios do poder na África Centro Ocidental. Homens e caminhos, exércitos e estradas (1483-1915). International symposium Angola on the move: Transport routes, communications, and history. Berlim: Centre for Modern Oriental Studies.

Souza, M. de M. (2002). Reis negros no Brasil escravista. História da festa de coroação de Rei Congo. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Tavares, A. P., & Santos, C. M. (2002). Africae Monumenta: A apropriação da escrita pelos africanos: volume I – Arquivo Caculo Cacahenda. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical.

Thornton, J. K. (1988). The art of war in Angola, 1575-1680. Comparative Studies in Society and History, 30 (2), 360-378.

Thornton, J. K. (2004). África e os africanos na formação do mundo atlântico. Rio de Janeiro: Campus.

Ximenes, C. F. L. (2012). Bahia e Angola: Redes comerciais e o tráfico de escravos (1750-1808). Tese de doutoramento em História, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.


Apontadores

  • Não há apontadores.