A Questão das “Ouvidas”, ou a Disputa entre Autoridades Civis e Militares pelo Julgamento de “Causas Gentílicas” na Angola de Meados do Século XIX

João Figueiredo

Resumo


Este artigo parte de duas polémicas que nas décadas de 50 e 60 do século XIX se desenrolaram nas páginas do Boletim Official do Governo Geral da Provincia de Angola para apurar, quer como os modelos ideais de “Julgados” e “Presidios”, gizados na metrópole portuguesa, eram percebidos localmente, quer como o inevitável desfasamento entre estes paradigmas e o habitus dos agentes coloniais locais foi instrumentalizado em denúncias cruzadas por corporações rivais na prestação de justiça no sertão angolano. Especial atenção será dada à forma como estes embates na esfera pública se inserem nas tensões mais latas entre abolicionistas e negreiros, bem como entre os agentes fiéis a Lisboa e aqueles afetivamente mais próximos ao Brasil.

Palavras-chave


ouvidas; mucanos; missão civilizadora; organização judiciária; gentilismo; escravatura

Texto Completo:

PDF

Referências


Alexandre, V. (1991). Portugal e a abolição do tráfico de escravos (1834-51). Análise Social, 26 (111), 293-333.

Alexandre, V., & Dias, J. (Coord.) (1998). A questão colonial no Portugal oitocentista. In Serrão, J., & Marques, O. (Dir.), Nova história da expansão portuguesa: Vol. 10: O império africano: 1825-1890 (pp. 21-132). Lisboa: Estampa.

Boletim da Sociedade de Geografia Comercial do Porto, 2.ª série, n.º 5, de abril a maio de 1884.

Bourdieu, P. (1990). The logic of practice. Stanford University Press.

Candido, M. (2015). An African slaving port and the Atlantic world – Benguela and its hinterland. Cambridge University Press.

Chanock, M. (1998). Law, custom and social order: The colonial experience in Malawi and Zambia. Londres: Pearson Education.

Couto, C. (1972). Os capitães-mores em Angola no século XVIII (subsídios para o estudo da sua actuação). Luanda: Instituto de Investigação Científica de Angola.

Decreto de 21 de Maio de 1841, que contém a Novissima Reforma Judiciaria com os Mappas da Divisão do Territorio, e as Tabellas dos Emolumentos reformadas em virtude da Carta de Lei de 28 de Julho de 1818 (1857). Coimbra: Imprensa da Universidade.

Dias, J. (1981). A sociedade colonial de Angola e o liberalismo português, 1820-1850. In Pereira, M., Sá, M., Ferreira, M., & Serra, J. (Org.), O liberalismo na península ibérica na primeira metade do século XIX. Lisboa: Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa.

Dicionário da língua portuguesa sem acordo ortográfico. (2003-2015). Porto Editora. Acedido em 13 de outubro, 2015, de http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa-aao/quituxe

Ferreira, R. (2014). Cross-cultural exchange in the Atlantic world – Angola and Brazil during the Era of the Slave Trade. Cambridge University Press.

Kananoja, K. (2010). Healers, idolaters, and good christians: A case study of creolization and popular religion in mid-eighteenth century Angola. International Journal of African Historical Studies, 43 (3), 443-465.

Lima, L. (2012). Civil, civilidade, civilizar, civilização: Usos, significados e tensões nos dicionários de língua portuguesa (1562-1831). Almanack, 3, pp. 66-81.

Lopo, J. (1964). Jornalismo de Angola – Subsídios para a sua história. Luanda: Centro de Informação e Turismo de Angola.

Marques, J. (1995). Resistência ou adesão à “causa da humanidade”? Os setembristas e a supressão do tráfico de escravos (1836-1842). Análise Social, 30 (131/132), 375-402.

Marques, J. (1999). Os sons do silêncio: O Portugal de oitocentos e a abolição do tráfico de escravos. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais.

Pantoja, S. (2003). O litoral angolano até as vésperas da independência do Brasil. Textos de História, 11 (1/2), 187-215.

Pereira, R. (2001). A “Missão etognósica de Moçambique”. A codificação dos “usos e costumes indígenas” no direito colonial português. Notas de investigação. Cadernos de Estudos Africanos, 1, pp. 125-177. Doi: 10.4000/cea.1628

Pinto, A. (2010). A estátua de Salvador Correia de Sá em Luanda: A cidade alta, o poder colonial luso-brasileiro e o mito da “restauração”. África: Revista do Centro de Estudos Africanos, 29/30, pp. 101-128.

Rodrigues, J. (1964). Brasil e África: Outro horizonte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Rodrigues, J. (2008). O tráfico de escravos e a experiência diplomática afro-luso-brasileira: Transformações ante a presença da corte portuguesa no Rio de Janeiro. Anos 90, 15 (27), pp. 107-123.

Santos, C. (2005a). Um governo “polido” para Angola: Reconfigurar dispositivos de domínio (1750-c. 1800). Tese de doutoramento em História dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Santos, C. (2005b). Entre deux droits: Les Lumières en Angola (1750-v. 1800). Annales HSS, 4, pp. 817-848.

Santos, C. (2010). Administrative knowledge in a colonial context: Angola in the eighteenth century. The British Journal for the History of Science, 43 (4), 539-556. Doi: 10.1017/S0007087410001275

Silva, C. (2004/2005). “Missão civilizacional” e codificação de usos e costumes na doutrina colonial portuguesa (séculos XIX-XX). Quaderni Fiorentini per la storia del pensiero giuridico moderno, 33-34 (2), 13-71.

Silva, C. (2006). Uma justiça “liberal” para o Ultramar? Direito e organização judiciária nas províncias ultramarinas portuguesas do século XIX. Revista do Ministério Público, 103, pp. 16-18. Acedido em 13 de outubro, 2015, de https://governodosoutros.files.wordpress.com/2010/09/justic3a7a-no-ultramar-revista-do-ministc3a9rio-pc3bablico.pdf

Silva. C. (2009). Constitucionalismo e império – A cidadania no ultramar português. Coimbra: Almedina.

Torres, A. (1991). O Império Português entre o real e o imaginário. Lisboa: Escher.


Apontadores

  • Não há apontadores.