O BRASIL E O ÁRTICO

Leo Evandro Figueiredo dos Santos, Enoil de Souza Júnior, Eduardo Ernesto Filippi, Jefferson Cardia Simões

DOI: https://doi.org/10.18055/Finis11943

Resumo


Este artigo apresenta a definição geográfica do Ártico e identifica o regime internacional complexo que se consolida, sobre as águas e fundos marinhos internacionais do Oceano Ártico e mares adjacentes. Este regime tem com fundamento base a aplicação da Convenção das Nações Unidas Sobre o Direito do Mar (CNUDM). Da mesma forma, argumenta sobre preocupações, interesses e mudanças sobre a Região Ártica, o que envolve temas como: meio ambiente, mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável, exploração de recursos, especialmente pesqueiros e petróleo e gás, as (novas) rotas marítimas, estratégia e segurança, considerando possíveis disputas territoriais, mas, principalmente, especula sobre a possibilidade dos efeitos das mudanças climáticas sobre aquela região gerarem impactos sobre o espaço e o meio brasileiro e sul-americano. A partir desses pressupostos infere sobre a inserção brasileira na região, por meio do desenvolvimento da pesquisa científica associada, da adesão do Brasil ao Conselho Ártico (CA), ao International Arctic Science Committee (IASC) e ao Tratado de Svalbard e da sua atuação na Nações Unidas, principalmente perante a CNUDM e a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLPC) e outros regimes em que são debatidas as questões pertinentes ao Ártico.


Palavras-chave


Ártico; Brasil; mudanças climáticas; interesses científicos

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2018 Finisterra

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Diretora científica responsável: Margarida Queirós| print ISSN 0430-5027 | online ISSN 2281-4574 | © 2017 | Depósito legal nº1956/83 | Revista editada e publicada pelo Centro de Estudos Geográficos | criada pelo Open Journal System (OJS)

Open Acess   Sherpa/Romeo