A paisagem barroca como memória estética nacional

Everaldo Batista da Costa

DOI: https://doi.org/10.18055/Finis4292

Resumo


A paisagem barroca, considerada elemento de uma memória estética nacional, guarda o espírito da empresa que produziu o território colonial: a rigidez de um sistema vertical de controle absoluto da produção artístico‑religiosa e do urbanismo que passam a caracterizar as cidades, no litoral e no interior do Brasil. Nesse aspecto, este artigo sugere, metodologicamente, o estudo da arte e do urbanismo barrocos brasileiros através da correlação entre memoria estética e território forjado, em consonância com a vida material e espiritual da sociedade moderna Européia.


Palavras-chave


Cidades coloniais do Brasil; paisagem barroca; memória estética.

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2017 Finisterra

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Diretora científica responsável: Margarida Queirós| print ISSN 0430-5027 | online ISSN 2281-4574 | © 2017 | Depósito legal nº1956/83 | Revista editada e publicada pelo Centro de Estudos Geográficos | criada pelo Open Journal System (OJS)

Open Acess   Sherpa/Romeo