Ao Encontro da Comunidade Por Vir - Reflexões sobre Psiquiatria Comunitária

Ana Neto, Teresa Maia, Pilar Santos Pinto

Resumo


Introdução: A transformação constante das comunidades e a sua relação com a patologia mental tem sido alvo de debate e investigação nas últimas décadas, embora não seja claro a sua real incorporação na prática psiquátrica.

Objectivos: Os objectivos deste artigo são rever a pertinência da compreensão das comunidades para a prática Psiquiátrica, sobretudo Comunitária, bem como instrumentos metodológicos e conceptuais que permitam essa incorporação.

Métodos: Revisão seleccionada de literatura sobre Psiquiatria Comunitária e Cultura, Comunidades, e Inequidade em Saúde Mental.

Resultados: O presente artigo começa com uma revisão do significado de Comunidade e dos princípios definidores da Psiquiatria Comunitária e a pertinência de serem, ou não, culturalmente sensíveis. Este aspecto é ilustrado com dois exemplos da preocupação com a Cultura e Alteridade na compreensão da Saúde Mental e Organização de Serviços (a nível das Comunidades Internacionais e a nível das comunidades Locais, ressalvando-se o papel que alguns métodos de trabalho, como a observação participante, podem desempenhar nestes contextos). Reflectimos por último sobre o conceito de Capital Social como um modelo teórico que antecipa a pertinência da incorporação das comunidades no pensamento Psiquiátrico.

Conclusão: A Psiquiatria e em particular a Psiquiatria Comunitária, reconhecendo uma diversidade de metodologias e permeável a modelos de áreas científicas limítrofes, pode finalmente eleger a Comunidade como plano de análise e integra-la na sua praxis.


Palavras-chave


Psiquiatria Comunitária; Comunidade; Cultura; Competência Cultural; Saúde Mental Global; Capital Social; Investigação Participante

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.