Depressão, Obesidade e Cirurgia Bariátrica

Andreia Lopes, Diogo Telles-Correia

Resumo


Introdução: O excesso de peso é um problema cada vez mais significativo em todo o mundo. Em Portugal, em 2008, 60% da população adulta tinha excesso de peso e 25% era obesa. A relação entre as perturbações afetivas e a obesidade é sobejamente conhecida e cerca de 2/3 da população que procura a cirurgia bariátrica tem um diagnóstico psiquiátrico, sendo a depressão o mais comum.

Objetivos: Esta revisão pretende estudar a relação da depressão e obesidade antes e após uma cirurgia bariátrica e analisar o impacto da cirurgia bariátrica na farmacocinética dos medicamentos antidepressivos e vitaminas e minerais com influência na sintomatologia depressiva.

Metodologia: Efetuou-se uma pesquisa na literatura em língua inglesa na MEDLINE, desde 1988 a 2015, utilizando como palavras-chave: absorption,  bioavailability, bariatric surgery, obesity, depression, antidepressants.

Resultados: A depressão e a obesidade potenciam-se uma à outra, estando fatores como a gravidade de cada uma destas condições, o género, a inatividade física, a dieta e a toma de medicamentos antidepressivos envolvidos nesta relação recíproca. A cirurgia bariátrica para tratamento da obesidade acarreta alterações na farmacocinética dos fármacos antidepressivos e nos nutrientes envolvidos na regulação do humor.

Discussão e Conclusão: Os dados disponíveis sobre os temas propostos alertam para a necessidade de prestar atenção aos doentes submetidos a cirurgia bariátrica e com sintomatologia depressiva. Não só porque a existência de sintomatologia depressiva prediz um menor sucesso na perda de peso, mas também porque esta cirurgia acarreta uma diminuição na biodisponibilidade da medicação antidepressiva.


Palavras-chave


bioavailability, bariatric surgery, obesity, depression.

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.