Inteligência e rendimento escolar: análise da sua relação ao longo da escolaridade

Gina Lemos, Leandro Almeida, M. Adelina Guisande, Ricardo Primi

DOI: https://doi.org/10.21814/rpe.13920

Resumo


Este estudo analisa a relação entre os resultados em provas cognitivas e o rendimento académico. Considera-se uma amostra representativa dos alunos portugueses entre o 5º e o 12º ano de escolaridade (n=4899). A avaliação cognitiva considerou os resultados na Bateria de Provas de Raciocínio: versão BPR5/6, versão BPR7/9 e versão BPR10/12. Todas as provas avaliam a capacidade de inferir e aplicar relações, recorrendo a tarefas de conteúdo diferenciado (figurativo-abstracto, numérico, verbal, mecânico e espacial). Os coeficientes de correlação sugerem uma maior associação entre as habilidades cognitivas e o rendimento escolar nas disciplinas cujo conteúdo curricular mais se aproxima dos itens das provas. Por outro lado, observa-se uma diminuição progressiva nos coeficientes de correlação à medida que se avança na escolaridade, apontando para uma menor importância das variáveis cognitivas na predição do rendimento académico nos anos escolares mais avançados. Estes resultados sugerem uma maior atenção, com o avançar na escolaridade, a variáveis não estritamente cognitivas e a variáveis próprias dos contextos de ensino-aprendizagem na explicação do rendimento escolar.

 

Palavras-chave: Inteligência; Desempenho cognitivo; Rendimento académico; Sucesso escolar


Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


A Revista Portuguesa de Educação (ISSN 0871-9187) é uma publicação semestral do Centro de Investigação em Educação (CIEd) do Instituto de Educação da Universidade Minho (UM) e conta com o apoio de fundos nacionais da FCT/MCTES-PT através do projeto UID/CED/1661/2013.