Tempos anormais e novas fantasias. Novas tendências em direitos humanos, justiça e educação

Carlos Vilar Estêvão

DOI: https://doi.org/10.21814/rpe.7730

Resumo


Depois de caraterizar os tempos atuais como tempos anormais, com a criação, pela ideologia mercantil, de novas fantasias, que prometem o céu na terra em termos de bem-estar, realização pessoal e de justiça, o autor percorre o terreno dos direitos humanos, da justiça, da educação e da escola,no sentido de desocultar novas interpretações, novos mitos, novas anormalidades que estão emergindo no seu interior, congruentes com o metabolismo do mercado, entendido este como metonímia do capitalismo global. Dentro desta visão, os direitos são encarados numa perspetiva de"multiuso", que os torna reorganizáveis a bel-prazer das exigências e das racionalidades dominantes da economia; do mesmo modo, a justiça tende a ser interpretada numa linha individualista e eficientista, ou seja, como um fator que contribui eficientemente para o equilíbrio das trocas comerciais e para a manutenção do equilíbrio da balança social. Por fim, a educação deve constituir-se num subsetor da economia, com uma formatação funcionalista ao serviço das necessidades sociais e económicas originárias do mundo mercantil.

Palavras-chave


Mercado; Direitos Humanos; Justiça; Educação

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


A Revista Portuguesa de Educação (ISSN 0871-9187) é uma publicação semestral do Centro de Investigação em Educação (CIEd) do Instituto de Educação da Universidade Minho (UM) e conta com o apoio de fundos nacionais da FCT/MCTES-PT através do projeto UID/CED/1661/2013.