Gestão de efluentes vinícolas: potencialidades da sua reutilização na rega de espécies ornamentais

  • Teresa Raquel Freitas Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Mafalda Pires
  • Berta Gonçalves
  • Helena Ferreira
  • José A. Peres
  • Eunice Bacelar

Resumo

Neste estudo pretendeu-se avaliar a possibilidade da reutilização de um efluente vinícola (EV) tratado para rega de espécies ornamentais. Para tal, realizaram-se inicialmente testes de fitotoxicidade em sementes de Lepidium sativum e de uma mistura de relva, sujeitas a concentrações crescentes de EV e um ensaio de rega em Petunia x atkinsiana com diferentes tratamentos: EV sem diluição (EV100%), efluente diluído (EV60%), efluente com correção de pH (EVT) e controlo (EV0%). Após o ensaio, realizaram-se análises morfo-fisiológicas e bioquímicas. Os testes revelaram que as concentrações de EV potenciaram a germinação da mistura de relva, apesar de terem sido moderadamente fitotóxicas para L. sativum (Índice de Germinação de 76,7 %). Relativamente ao ensaio de rega, os tratamentos EV0% e EV100% destacaram-se positivamente em relação aos EV60% e EVT, ao nível do crescimento e anatomia foliar. Contudo, não ocorreram alterações nas concentrações foliares de pigmentos fotossintéticos (P = 0,946) e fenóis totais (P = 0,126) e antocianinas totais nas flores (P = 0,918). Concluiu-se que a reutilização de EVs na rega de petúnias poderá ser uma alternativa sustentável, pois as caraterísticas visuais e estéticas como a cor e o número de flores, que são valorizadas comercialmente em espécies ornamentais, não foram alteradas.

Publicado
2019-08-12
Secção
Geral