De ‘Bouffée Délirante’ a Perturbação Psicótica Aguda e Transitória: Revisitação do Conceito a propósito de um caso clínico

  • Joana Silva Ribeiro CRI Psiquiatria e Saúde Mental - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra http://orcid.org/0000-0002-0701-3803
  • Pedro Santos Oliveira CRI Psiquiatria e Saúde Mental - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Adriana Pestana Santos CRI Psiquiatria e Saúde Mental - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Tânia Silva CRI Psiquiatria e Saúde Mental - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Nuno Madeira CRI Psiquiatria e Saúde Mental - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
Palavras-chave: Bouffeé Délirante, Psicose Aguda, Psicose Ciclóide, Psicose Atípica, Perturbações Psicóticas Agudas e Transitórias

Resumo

Introdução: Desde o Séc. XIX que têm sido descritos quadros psicóticos de início súbito e duração limitada. Tendo sido a ‘Bouffée Délirante’ o primeiro quadro a ser descrito, ao longo da história da Psiquiatria várias foram as entidades nosológicas que, entretanto, surgiram nas diferentes escolas: Psicose Ciclóide, Psicose Psicogénica, Psicose Atípica, entre outros.

Objetivos: Neste artigo, a propósito de um caso clínico, os autores propõem-se realizar uma revisão dos conceitos históricos das Perturbações Psicóticas Agudas e Transitórias.

Métodos: Descrição de um caso clínico e revisão da literatura.

Resultados: Caso clínico de um doente de 44 anos com quadro psicótico de início agudo e curta duração, com remissão completa em três dias e retorno ao seu nível de funcionamento habitual.

Discussão/Conclusão: Apesar das divergências entre as diferentes concepções teóricas que se mantiveram durante décadas como entidades independentes, actualmente, esses conceitos encontram-se reunidos na 10ª edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-10) sob a denominação de Perturbações Psicóticas Agudas e Transitórias. Embora estas classificações não incluam todas as características clínicas inicialmente descritas, procurando o estabelecimento de critérios diagnósticos mais específicos, existe ainda uma percentagem significativa de doentes nos quais o diagnóstico é revisto para uma doença mental crónica.

Biografia do Autor

Joana Silva Ribeiro, CRI Psiquiatria e Saúde Mental - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
Médica Interna de Formação Específica em Psiquiatria
Publicado
2018-01-20
Secção
Casos Clínicos