Revista Portuguesa de Pedopsiquiatria https://revistas.rcaap.pt/rpp <p style="text-align: justify; line-height: 150%; margin: 7.5pt 0cm 2.25pt 0cm;"><span style="font-size: 11.0pt; line-height: 150%; font-family: 'Arial',sans-serif;">A </span><strong><span style="font-size: 11.0pt; line-height: 150%; font-family: 'Arial',sans-serif;">Revista Portuguesa de Pedopsiquiatria</span></strong><strong><span style="font-size: 11.0pt; line-height: 150%; font-family: 'Arial',sans-serif;"> </span></strong><span style="font-size: 11.0pt; line-height: 150%; font-family: 'Arial',sans-serif;">é uma publicação científica da Associação Portuguesa de Psiquiatria da Infância e da Adolescência (APPIA) e foi publicada pela primeira vez em dezembro de 1990, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian</span><span style="font-size: 11.0pt; line-height: 150%; font-family: 'Arial',sans-serif; color: #231f20;">. A revista publica artigos originais, de investigação ou de revisão na área da Pedopsiquiatria, assim como casos clínicos, resumos críticos de livros ou artigos com relevância para um melhor conhecimento nesta área. A revista privilegia e estimula a diversidade e multidisciplinaridade dos assuntos abordados.</span><span style="font-size: 11.0pt; line-height: 150%; font-family: 'Arial',sans-serif;"> <span style="font-family: 'Arial',sans-serif;">Apresentada ao público pelo Dr. Coimbra de Matos durante o 1º Encontro desta Associação, que se realizou na Torre de Belém, o seu lançamento teve lugar no Grémio Literário em Lisboa e contou com a presença de pedopsiquiatras, psicólogos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais e outras classes profissionais que se dedicam à Saúde Mental Infantil e Juvenil.</span> <span style="font-family: 'Arial',sans-serif;">O seu primeiro diretor foi o Dr. Coimbra de Matos, que exerceu esta função durante 13 anos, tendo-a cessado a seu pedido em dezembro de 2003. Foi então substituído pela Dr.ª Maria Luís Borges de Castro que deu continuidade ao projeto inicial dinamizando não apenas a edição da revista, mas também a organização regular dos Colóquios da Revista. Em 2014 foi substituída pelo Dr. Pedro Pires, tendo em 2017 assumido a Direção a Professora </span>Dra. Paula Pinto de Freitas. </span></p> pt-PT revistapedopsiquiatria@gmail.com (Professora Dra. Paula Pinto de Freitas) appia@sapo.pt (Catarina Baptista) Ter, 25 Jan 2022 19:08:47 +0000 OJS 3.2.1.2 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 PEDOPSIQUIATRIA EM CUIDADOS PALIATIVOS PEDIÁTRICOS https://revistas.rcaap.pt/rpp/article/view/25233 <p>Segundo a definição da Organização Mundial de Saúde, os Cuidados Paliativos Pediátricos (CPP) destinam-se a crianças com doenças ameaçadoras de vida e abrangem elementos físicos, emocionais, sociais e espirituais. As crianças e adolescentes a quem é diagnosticada uma doença potencialmente ameaçadora de vida, apresentam um risco acrescido de desenvolver uma perturbação mental ou de um agravamento da psicopatologia de base. É fundamental, para o tratamento holístico destes doentes, que sejam abordadas sistematicamente as questões de saúde mental, visando uma melhoria do seu bem-estar e funcionamento global. O presente trabalho pretende refletir sobre as especificidades do trabalho de um pedopsiquiatra com crianças/jovens e famílias com indicação para acompanhamento na área dos CPP. Tomando como ponto de partida a apresentação de duas vinhetas clínicas, realizou-se uma revisão da literatura, em artigos científicos publicados na plataforma PubMed entre 2009 e 2019, usando as palavras-chave “Pediatric Palliative Care” e “Child and Adolescent Psychiatry”. A pedopsiquiatria paliativa é uma área emergente, sendo escassa a literatura publicada sobre o tema até à data. A investigação em populações paliativas de adultos tem sido clara acerca da elevada prevalência de perturbações psiquiátricas que necessitam de terapia dirigida. Nas vinhetas clínicas em análise, a intervenção pedopsiquiátrica foi necessária para a abordagem terapêutica, garantindo o bem-estar do doente e da sua família. Não obstante, dada a escassez de orientações clínicas e de investigações nesta área da medicina, são necessários mais estudos para uma melhor caracterização da psicopatologia e das intervenções terapêuticas nesta população.</p> Carolina Vieira da Costa, Suzana Henriques, Maria João Palaré, Teresa Goldschmidt Direitos de Autor (c) 2022 Revista Portuguesa de Pedopsiquiatria https://revistas.rcaap.pt/rpp/article/view/25233 Ter, 25 Jan 2022 00:00:00 +0000