As Reservas Visitáveis do Musée des Arts et Métiers em Paris

  • Maria Fernando Gomes
  • Eduarda Vieira

Resumo

As reservas visíveis e ou visitáveis tornaram-se um fenómeno recorrente no panoramamuseológico internacional, em resultado das profundas mudanças ocorridas na sociedadecontemporânea pós-moderna, das quais estacamos o primado do museu como factor decomunicação e a acessibilidade às colecções/bens culturais. Este artigo tem como objectivorefletir sobre este processo e sobre os conceitos que lhe estão subjacentes, a fim de secompreender as experiências levadas a cabo pelos museus no domínio da transformação dasreservas em locais de visita ao público e dos processos de concepção, gestão, conservação edivulgação das colecções que lhe estão associados, de modo a elaborar-se um referencial deboas práticas, sobre condições de reserva. Analisamos aqui a experiência que vivenciamosao caso de estudo das Reservas do Musée des Arts et Métiers de Paris, uma referência nocenário europeu.

Biografias do Autor

Maria Fernando Gomes
Doutoranda em Conservação de Pintura na Escola das Artes daUniversidade Católica Portuguesa – Centro Regional do Porto, Portugal. Tema de Dissertação:«Conservação Preventiva: Condições de Reserva». Bolseira de doutoramento da Fundaçãopara a Ciência e Tecnologia (FCT). Membro colaborador do CITAR – Centro de Investigaçãoem Ciência e Tecnologia das Artes, EA/UCP/Porto, na linha de investigação “Estudo e Conservaçãodo Património Cultural”, na área temática de “Conservação de Bens Culturais”.Licenciada em Arte, Conservação e Restauro, com especialização em Escultura e Talha, pelaEscola das Artes da Universidade Católica Portuguesa – Centro Regional do Porto.
Eduarda Vieira
Doutorada em Conservação e Restauro do Património Histórico-Artístico pelaUniversidade Politécnica de Valência. Mestre em Recuperação do Património Arquitectónicoe Paisagístico pela Universidade de Évora. Docente do Departamento de Arte, Conservaçãoe Restauro da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa – Pólo regional doPorto. Coordenadora do grupo de Estudos de Conservação do CITAR. Coordenadora doDoutoramento e do Mestrado em Conservação de Bens Culturais e da Pós Graduação emConservação Preventiva da UCP.
Publicado
2013-01-01
Edição
Secção
Artigos