Composição bromatológica de mandioca (Manihot esculenta) em função do intervalo entre podas

  • Gabriela L.P. Moreira
  • Caio J.N. Prates
  • Leandro M. Oliveira
  • Anselmo E.S. Viana
  • Nelson dos S. Cardoso Júnior
  • Mauro P. Figueiredo

Resumo

Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a composição químico-bromatológica de duas variedades de mandioca em função de cinco intervalos entre podas. O ensaio foi implantado em dezembro de 2008, no município de Vitória da Conquista, BA, utilizando-se o delineamento experimental em blocos casualizados, com 10 tratamentos, arranjados segundo um esquema fatorial 2 x 5, com três repetições, constituídos por duas variedades de mandioca (Caitité e Sergipe) e cinco intervalos entre podas (poda a cada 2, 4, 6, e 8 meses após o plantio e sem poda – testemunha). A colheita foi realizada aos 19 meses após plantio. A variedade Caitité apresentou maior conteúdo de matéria seca e de matéria mineral da parte aérea. As raízes da variedade Sergipe apresentaram maiores teores de fibra e de matéria seca. Observou-se, para as duas variedades, redução dos teores de matéria seca e de fibras da parte aérea e aumento dos teores de matéria seca e de proteína das raízes para plantas podadas a cada dois meses.

Publicado
2019-01-09
Secção
Geral