Estudo de rentabilidade entre dois sistemas de rega em castanheiros adultos e comparação com soutos não regados

  • Margarida Mota
  • Teresa Pinto
  • Tiago Marques
  • António Borges
  • João Caço
  • Fernando Raimundo
  • José Gomes-Laranjo

Resumo

Para avaliar qual dos dois sistemas de rega se revela mais eficiente em castanheiro, foram estudados três tratamentos: sistema de gota-a-gota - TI; sistema de micro-aspersão - SI; sistema não irrigado - NI. O estudo abrange dois anos no nordeste de Portugal. A rega foi ativada sempre que o potencial hídrico de ramo era inferior a -1,2 MPa. O estudo considera os custos com equipamentos, água e mão-de-obra e os proveitos da venda das castanhas. O ano 2016 foi mais quente tendo sido fornecida mais água (93 mm) do que em 2015 (47 mm). Foi fornecida um pouco mais em SI (73 mm) do que em TI (67 mm). A produção foi 27% superior nas árvores regadas (48 kg/árvore) do que em NI (38 kg/árvore) e em relação à área da copa (kg/m2), TI produziu 18% mais do que o controlo NI, assim como o SI produziu mais 29%. Os custos anuais foram maiores em SI (4654 /ha) e TI (4549 /ha) do que em NI (1530 /ha), tendo a maior receita compensado o investimento (22126 /há TI, 21984 /ha SI e 16174 /ha NI). Os lucros das árvores regadas pode ser 22% ou 37% maior do que as não irrigadas, para 1 ha ou 5 ha, respetivamente.

Publicado
2019-01-14
Secção
Geral