Requisitos para credibilidade da análise sensorial do café

  • Williams M.P. Ferreira
  • José I.R. Júnior
  • Camila R.G. Dias
  • Karine R. de Oliveira
  • Juliana V. Gomes
  • Cecília de F. Souza

Resumo

Com esta investigação teve-se por objetivo verificar se os três provadores avaliados constituem o número mínimo de provadores para assegurar a credibilidade da análise sensorial da bebida do café, prova de chávena. Para isso, foram realizados quatro experimentos sob diferentes condições de café no estádio cereja: A (café Catuaí Vermelho em altitudes inferiores a 900 m), B (café Catuaí Amarelo em altitudes inferiores a 900 m), C (café Catuaí Vermelho em altitudes iguais e/ou superiores a 900 m) e D (café Catuaí Amarelo em altitudes iguais e/ou superiores a 900 m), em que analisaram-se  as notas atribuídas a oito características sensoriais de diferentes amostras nas condições anteriores por três provadores Q-grader que adotaram as regras internacionais da metodologia do Cup of Excellence (CoE). Com base em estatísticas descritivas aplicadas às notas que os provadores atribuíram a oito características sensoriais de diferentes amostras de cafés Catuaí Vermelho e Amarelo, no estádio cereja, provenientes de altitudes inferiores e superiores a 900 m, concluiu-se que o facto mais importante não é a quantidade de provadores envolvidos, mas sim a fiabilidade das notas por eles atribuídas, sendo fiabilidade uma medida que está diretamente associada à homogeneidade do conjunto de notas atribuídas por diferentes provadores, dada a uma mesma condição de avaliação.

Publicado
2019-01-14
Secção
Geral