Extração de nemátodes de quisto de amostras de solo: método de decantação e crivagem de Cobb vs. método de Fenwick

  • Maria J. Camacho
  • Mariana Mota
  • Arlindo Lima
  • Leidy Rusinque
  • Maria L. Inácio

Resumo

Os nemátodes de quisto constituem uma ameaça para diversas culturas agrícolas em todo o mundo. Algumas espécies são consideradas organismos nocivos de quarentena e encontram-se sujeitas a rigorosas medidas regulamentares em muitos países. Como os nemátodes de quisto coexistem no solo com outras espécies de nemátodes fitoparasitas, é necessário um método de extração que otimize custos e tempo. Idealmente, o método de extração deveria permitir detetar, para além dos quistos, a presença dos estádios juvenis de outros nemátodes fitoparasitas com potencial impacto agrícola (como Meloidogyne sp. e Pratylenchus sp.). Nos últimos anos, foram realizados alguns estudos para testar a eficiência de vários métodos de extração de nemátodos, mas poucos resultados foram publicados. Nesse sentido, foi comparada a eficiência do método de decantação e crivagem de Cobb com o método de Fenwick, visando testar se um método que extrai simultaneamente quistos e formas móveis pode ser usado em vez do método de referência para a extração de quistos. Nas 74 amostras avaliadas foi extraído maior número de quistos em 24 amostras pelo método de Fenwick e em 11 amostras pelo método de decantação e crivagem de Cobb. Estes resultados permitem concluir, para um nível de significância de 0,05, que o método de Fenwick foi mais eficiente que o de decantação e crivagem de Cobb na extração de quistos, não devendo ser substituído pelo outro método para este efeito.

Publicado
2019-03-10
Secção
Geral