Interações entre fungos do pé negro da videira e do complexo da esca

  • Tatiana Santos Coletto
  • Teresa Nascimento
  • Helena Oliveira

Resumo

Muitos dos fungos envolvidos na doença do pé negro e no complexo da esca ocorrem numa mesma videira, mas as interações que se estabelecem entre eles são pouco conhecidas. Em materiais de propagação vegetativa e videiras jovens coexistem frequentemente agentes causadores da doença de Petri (Phaeoacremonium (Pm.) minimum e/ou Phaeomoniella (Pa.) chlamydospora) e do pé negro (entre outros, Ilyonectria liriodendri e Dactylonectria macrodidyma). Em videiras adultas, a estes fungos associam-se por vezes basidiomicetas, nomeadamente Fomitiporia mediterranea, responsável pelo sintoma de podridão-branca do lenho, característico da “esca”. O presente estudo teve como objetivo clarificar como interagem in vitro fungos responsáveis pela doença de Petri e pelo pé negro da videira, no seu conjunto responsáveis pelo declínio de videiras jovens. Complementarmente avaliaram-se ainda interações entre os principais fungos envolvidos no “complexo da esca”, Pm. minimum (= Pm. aleophilum), Pa. chlamydospora e F. mediterranea. Os resultados obtidos indicam que o crescimento micelial de I. liriodendri e D. macrodidyma é significativamente favorecido pela presença de Pa. chlamydospora ou Pm. minimum. Por sua vez, o fungo F. mediterranea, inicialmente favorecido por Pa. chlamydospora e Pm. minimum, é posteriormente inibido por Pm. minimum, mas não por Pa. chlamydospora.

Publicado
2019-03-10
Secção
Geral