Extratos etanolicos de própolis no controle in vitro de Fusarium proliferatum

  • Fernanda S. Gregolin
  • Solange M. Bonaldo
  • Adilson P. Sinhorin
  • Jéfferson L. Banderó
  • Carmen Wobeto

Resumo

Neste estudo foi investigada a atividade no controle in vitro de Fusarium proliferatum, a composição química e a atividade antioxidante de oito extratos etanólicos de própolis (EEP) produzidos no Brasil, seis da região norte do estado de Mato Grosso, (EEP-1 até EEP-4, EEP-6 e EEP-7); um do estado da Bahia, Brasil (EEP-5) e a própolis verde do estado de Minas Gerais, Brasil (EEP-8). Foi avaliado o efeito dos EEP na percentagem de inibição do crescimento micelial (PIC) e na esporulação de macroconídios e microconídios de Fusarium proliferatum e comparado com o controle (etanol 70%). Os extratos EEP-4 até EEP-8 a 2% apresentaram PIC significativos em relação ao controle O EEP-8 a 2% se destacou com o mais alto PIC de Fusarium proliferatum e o maior potencial antioxidante. De entre os EEP que apresentaram ação antifúngica significativa os EEP-8 e EEP-4 apresentaram os maiores teores de flavonoides totais e o EEP-6 destacou-se com os teores superiores de fenólicos totais. Todos os EEP investigados, exceto o EEP1, provocaram redução de mais de 70% na esporulação de macroconídios. Os EEP-4 e EEP-8 apresentaram predominância dos flavonóides quercitina e campferol e o EEP-6 do ácido cafeico. Estes compostos antioxidantes podem ter contribuído para a atividade antifúngica dos extratos.

Publicado
2019-05-10
Secção
Geral