To value pain in children: a refection oriented to praxis

Authors

  • Maria Amaral-Bastos Paediatric Intensive Care Service, Centro Hospitalar do Porto; Instituto Ciências da Saúde, Universidade Católica Portuguesa, Centro de Investigação Interdisciplinar em Saúde – Porto
  • Catarina Ferreira de Sousa Internment Medical Surgical Pediatrics Service of Centro Hospitalar do Porto

DOI:

https://doi.org/10.25753/BirthGrowthMJ.v23.i4.8783

Keywords:

Pain, Nurses, Children

Abstract

Introduction: Pain, in Portugal, was considered the 5th vital sign in 2003, therefore the measurement, registry and implementation of proper measures to minimize it became of great importance. However, being a subjective phenomenon, it is hard to measure. Those nurses who take care of pediatric patients are faced with an added challenge on pain assesment.

Goal: To describe how Nurses value pain in children under their care; to compare their approach with the Guidelines of Good Practice on Pain (GGP) of the Portuguese Order of Nurses.

Material and Methods: Forty-one nurses of pediatric clinical practice were questioned on the meaning of pain valorization on children. It was made a qualitative analysis of the answers classifying them according to Text Units (TU).

Results: From the data treatment of the 41 questionnaires there resulted four categories of TU: the fi fth Vital Sign (12 TU), Professional Demand (26 TU), Recognition and Personal Care (6 TU) and Practicing Excellence (18 TU), which are in conformity with the GGP of the Portuguese Order of Nurses.

Conclusions: We have concluded that to value pain in children as the Fifth Vital Sign is a Professional Demand, which Recognizes the child as a person to whom we are rendering a Personalized Care, so that the provided care leads to the Way to Excellence.

References

Direcção-Geral da Saúde. Circular Normativa nº 09/DGCG. A dor como 5º sinal vital. Registo sistemático da intensidade da dor. DGS, 14 jun 2003.

Ordem dos Enfermeiros. Dor - Guia Orientador de Boa Prática. Lisboa: OE; 2008.

Santos F. Análise de Conteúdo: a visão de Laurence Bardin. Rev Elect Educ [periódicos na internet] 2012 mai [acesso em jan 2013]; 6:383-87. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/291.

Oliveira D. Análise de Conteúdo Temático-Categorial: uma proposta de sistematização. Rev Enf UERG 2008; 16:569-76.

Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde. Orientação 014/2010. Orientações técnicas sobre a avaliação da dor nas crianças. DGS, 14 dez 2010.

Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde. Orientação 024/2012. Orientações Técnicas sobre o Controlo da Dor nos Recém-Nascidos. DGS, 18 dez 2012.

Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde. Orientação 023/2012. Orientações Técnicas sobre o Controlo da Dor nas Crianças com Doença Oncológica. DGS, 18 dez 2012.

Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde. Orientação 022/2012. Orientações Técnicas sobre o Controlo da Dor em Procedimentos Invasivos nas Crianças. DGS, 18 dez 2012.

Batalha L, Guimarães H. Avaliação de Dor e Desconforto no Recém-Nascido. Acta Pediatr Port. 2003;34(3):159-13.

Batalha L, Reis G, Costa LP, Carvalho MD, Miguens AP. Adaptação Cultural e Validação da Reprodutibilidade da Versão Portuguesa da Escala de Dor Face, Legs, Activity, Cry, Consolability (FLACC) em Crianças. Rev Enf Ref. 2009;II Série 10:7-14.

Batalha L, Mendes VM. Adaptação Cultural e Validação da Versão Portuguesa da Escala Face, Legs, Activity, Cry, Consolabity-Revised (FLACC-R). Rev Enf Ref. 2013; III Série 11:7-17.

Garcia M, Fernandes A. Avaliação da Dor nas Crianças com Deficiência Profunda: a escala DESS. Rev Enf Ref. 2007;II Série 5:17-2.

Lucas AM, Batalha L. Avaliação da Dor na Criança por Enfermeiros. XI Conferência Iberoamericana de Educação em Enfermagem; 2011; Coimbra.

Balda RC, Almeida MF, Peres CA, Guinsburg R. Fatores que Interferem no Reconhecimento por Adultos da Expressão Facial de dor no Recém Nascido. Rev Paul Pediatr 2009; 27:160-7.

Sousa B, Santos M, Sousa F, Gonçalves A, Paiva S. Avaliação da Dor como Instrumento para o Cuidar de Recém Nascidos Pré-Termo. Texto Contexto Enferm 2006: 15(Esp)88-6.

Cunha I, Romão J, Ferreira A, Vicente C. Abordagem aos Conhecimentos dos Profi ssionais de Saúde no Âmbito do Controle da Dor Aguda Pós-Operatória em Crianças. Acta Pediat Port 2013; 44:238-8.

Batalha L. Avaliação e Controlo da Dor em Pediatria: uma década. Saúde Tecnol 2013; Sup:16-1.

Amaral-Bastos M. Parceria de Cuidados em Pediatria Observada à Luz da Investigação. [acesso jun 2014]. Disponível em: http://repositorio.chporto.pt/handle/10400.16/1441

Amaral-Bastos M. Parceria de Cuidados em Pediatria: perspetiva dos enfermeiros. In: Atas e comunicações da XI Conferência Iberoamericana de Educação em Enfermagem; 2011 set 18-24; Coimbra, Portugal. Coimbra: Ren Enf Ref 2011; III Série Sup 4: 423.

Mendes M, Martins M. Parceria nos Cuidados de Enfermagem em Pediatria: do discurso à ação dos enfermeiros. Rev Enf Ref 2012; III Série, 6:113-21.

Published

2016-03-08

How to Cite

Amaral-Bastos, M., & de Sousa, C. F. (2016). To value pain in children: a refection oriented to praxis. NASCER E CRESCER - BIRTH AND GROWTH MEDICAL JOURNAL, 23(4), 190–194. https://doi.org/10.25753/BirthGrowthMJ.v23.i4.8783

Issue

Section

Original Articles