Monitorização da aplicação de lamas de ETAR em solos delgados

  • Rui Fernandes
  • Cristina Sempiterno
  • Lídia Farropas
  • Amélia Castelo-Branco
  • Artur Lagartinho

Resumo

A valorização agrícola de lamas de ETAR (lamas residuais urbanas), através da sua aplicação ao solo, em especial numa zona com solos de pouca espessura, exige que se validem os limites considerados tóxicos de metais pesados, em relação ao solo e a culturas.

Para a execução do objetivo em estudo foram selecionadas quatro explorações na área cerealífera de Castro Verde, às quais foram aplicados os tratamentos experimentais (T1- adubação tradicional (AT); T2- ripagem (R) + AT; T3 – R +AT+ injeção de lamas (IL) e T4 – R + adubação recomendada + IL), onde se pretendeu além de verificar o efeito da injeção de lamas, relacioná-la com modalidades de fertilização. Em três das explorações foi semeado trigo mole (Triticum aestivum) e numa delas semeou-se aveia (Avena sativa). Utilizou-se uma lama, proveniente da ETAR de Castro Verde, por apresentar níveis de microrganismos e teores de metais pesados*abaixo dos limites estabelecidos por lei (Decreto-Lei n.º 276/2009).

Os resultados revelaram que a aplicação de lamas, com elevado teor de humidade, não poluiu o solo em Cd, Cu, Ni, Pb, Cr, Zn e Hg. Em todas as explorações os teores detetados destes metais, em todos os tratamentos, foram inferiores aos limites de concentração inaceitáveis. Os tratamentos também não provocaram diferenças significativas (p> 0,05) sobre os teores de metais pesados doseados nas culturas.

Downloads

Dados de downloads ainda não estão disponíveis.
Publicado
2019-01-20
Secção
Geral