Consumo de sal, açúcar, ervas/plantas aromáticas e especiarias

Autores

  • Madalena Cunha Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS. Universidade do Minho, CIEC, Portugal https://orcid.org/0000-0003-0710-9220
  • Rosa Martins Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS https://orcid.org/0000-0001-9850-9822
  • Suzana André Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS
  • Carlos Albuquerque Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS. Universidade do Minho, CIEC, Portugal https://orcid.org/0000-0002-2297-0636
  • Berta Cunha HDC, CAFRE- Greemount College, DARD, Antrim, Northern Ireland
  • Dina Almeida Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS
  • Mónica Silva Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS
  • Raquel Gaspar Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS
  • Sónia Fonseca Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS
  • Estudantes 28º CLE, ESSV, IPV Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir024.24027

Palavras-chave:

Hábitos dietéticos, Sal, Ervas/Plantas Aromáticas, Especiarias

Resumo

INTRODUÇÃO

Atualmente o conhecimento científico acerca das propriedades terapêuticas das ervas/plantas aromáticas confirma os benefícios do seu consumo para a saúde, constituindo uma evidência da academia moderna o seu valor medicinal na prevenção de doenças. As ervas aromáticas e especiarias conferem sabor e cor aos alimentos e ganham cada vez mais notoriedade como condimento e tempero, sendo o seu uso recomendado como boa prática alimentar para substituir o sal.

OBJETIVO

Avaliar o consumo de sal, açúcar, ervas/plantas aromáticas e especiarias em cidadãos portugueses.

MÉTODOS

O estudo descritivo e transversal foi desenvolvido numa amostra de 508 participantes adultos (52,2% homens e 47,8% mulheres) com idades compreendidas entre os 18 e os 93 anos, (média de 44.48 anos ± 21 DP), residentes na zona centro e norte de Portugal.

RESULTADOS

Os resultados mostraram que:

- 49,4% (16,9% homens e 32,5% mulheres) dos participantes consumiam sal em valores superiores a 5g por dia; 28,3% consumiam ≤ 5 g/Dia e 15,7% não adicionavam sal aos alimentos;

- a ingestão de açúcar era adequada em 92,9% inquiridos e 7,2 referiu ingeri-lo em excesso;

- as especiarias eram consumidas por 59,6% dos inquiridos, sendo a pimenta malagueta a mais consumida (39,8%).

- as ervas aromáticas eram consumidas por73,6 % (69,4% dos homens e 78,2% das mulheres), sendo a salsa a mais consumida (57,3%);

- os locais preferidos para o cultivo de ervas aromáticas foram o quintal (39,2%) e o jardim (20,5%);

CONCLUSÕES

Os resultados evidenciam existir um elevado número de participantes que adiciona sal na confeção dos alimentos o que denota elevado consumo de sal. Concomitantemente o consumo de ervas aromáticas e especiarias é também significativo.

Com vista a prevenir os efeitos nefastos da ingestão desregulada de sal, como conhecimento confirmatório, os resultados denotam a necessidade de se intensificarem intervenções promotoras da educação alimentar e consequentes comportamentos alimentares saudáveis, assentes no bom uso da cozinha mediterrânica.

Referências

Albuquerque, T. G.; Oliveira, M. B.P.P., Costa, H. S. (2016). Consumo de sal e efeitos na saúde na perceção do consumidor: resultados preliminares, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, Boletim Epidemiológico, nº 15, 2ª série, pp. 9-11. Acedido em http://repositorio.insa.pt/bitstream/10400.18/3695/1/Boletim_Epidemiologico_Observacoes_N15_2016_artigo3.pdf

Cunha, M. (2013). Desenvolvimento da Inteligência Nutricional. Ervas Aromáticas e Saúde. In C. M. S. Albuquerque, org., Manual de boas práticas: consulta de vigilância de saúde infantil (pp86- 101). Viseu: Escola Superior de Saúde de Viseu, IPV. Acedido em http://2011.congresso-misij.com/manual_obesidade.pdf

Luís, L. (2010). Literacia em Saúde e Alimentação Saudável: os novos produtos e a escolha dos alimentos. Acedido em https://run.unl.pt/handle/10362/4264

Mann, A. (2011). Biopotency role of culinary spices and herbs and their chemical constituents in health and commonly used spices in Nigerian dishes and snacks. African Journal of Food Science, 5(3), 111-124. Acedido em http://academicjournals.org/article/article1379514415_Mann.pdf

Polónia, J.; Maldonado, J.; Ramos, R.; Bertoquini, S.; Duro, M.; Almeida, C.; Ferreira, J.; Barbosa, L.; Silva, J.A.; Martins, L. (2006). Estimation of salt intake by urinary sodium excretion in a Portuguese adult population and its relationship to arterial stiffness. Rev Port Cardiol. 2006 Sep;25 (9):801-17.

Polonia J, Martins L, Pinto F, & Nazaré J. (2014). Prevalence, awareness, treatment and control of hypertension and salt intake in Portugal: changes over a decade. The PHYSA study. J Hypertens. 2014 Jun; 32(6):1211-21. doi: 10.1097/ HJH.0000000000000162. Acedido em http://www.sphta.org.pt/files/physastudy_20150506_2.pdf

Portugal. Ministério da Saúde. Direção Geral de Saúde. (DGS) (2011). Ervas aromáticas e similares. Acedido em http://www. dgs.pt/?cr=24482

Graça, P. ( 2013). Relatório Estratégia para a redução do consumo de sal na alimentação em Portugal. In Portugal, Ministério da Saúde, Direção Geral da Saúde (DGS). (2013).

Portugal, Ministério da Saúde, Direção Geral da Saúde (DGS). (2013). Utilização de ervas aromáticas e similares para a redução do consumo de sal: Uma estratégia da Direção-Geral da Saúde para um estilo de vida saudável. Comunicado do Diretor-Geral da Saúde. NÚMERO: C58.01.v1 DATA: 21/06/2013 Acedido em http://www.dgs.pt/?cr=24478

United Nations Industrial Development Organization & Food and Agriculture Organization of the United Nations. (UNIDO & FAO) (2005). Herbs, spices and essentials oils: Post-harvest operations in developing countries. Vienna, Austria: UNIDO and FAO. Acedido em http://www.unido.org/fileadmin/user_media/Publications/Pub_free/Herbs_spices_and_essential_oils.pdf

World Health Organization. Mapping salt reduction initiatives in the WHO European Region. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe, 2013. https://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0009/186462/Mapping-salt-reduction-initiatives-in-the-WHO-European-Region-final.pdf

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Cunha, M., Martins, R., André, S., Albuquerque, C., Cunha, B., Almeida, D., Silva, M., Gaspar, R., Fonseca, S., & Estudantes 28º CLE, ESSV, IPV. (2016). Consumo de sal, açúcar, ervas/plantas aromáticas e especiarias . Servir, 59(4), 36–41. https://doi.org/10.48492/servir024.24027