Humor e o stresse dos enfermeiros que cuidam com pessoas em fim de vida

Autores

  • Maria Santos CHLN - Hospital de Santa Maria
  • Helena José Escola de Saúde Multiperfil, Luanda
  • Manuel Capelas Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir024.24087

Palavras-chave:

Humor, Stress, Enfermeiros, Fim de vida

Resumo

INTRODUÇÃO

Os enfermeiros, particularmente os que cuidam com pessoas em fim de vida, são expostos diariamente a múltiplos fatores de stresse, já que contactam no seu quotidiano com a morte, o sofrimento e as emoções negativas associadas a este período particular. A evidência científica tem vindo a demonstrar que o humor pode constituir uma estratégia eficaz na gestão do stresse ocupacional, podendo estar a ser utilizado pelos profissionais para seu próprio benefício. Neste sentido, parece particularmente interessante estudar a relação existente entre o sentido de humor e o nível de stresse destes profissionais através da aplicação de instrumentos de avaliação e análise adequados.

OBJETIVO

Estabelecer a existência de relação entre o sentido de humor e o nível de stresse dos enfermeiros que cuidam com pessoas em fim de vida e estudar as características desta relação.

MÉTODOS

Desenvolveu-se um estudo do tipo correlacional que teve início na aplicação de um formulário online, composto por uma escala de avaliação do sentido de humor (MSHS) (José, 2008), uma escala de avaliação do nível de stresse (NSI) (Fernandes, 1996) e um questionário sociodemográfico. Foi reunida uma amostra de 61 sujeitos que respeitam critérios de seleção previamente definidos. A análise dos resultados foi conduzida a partir do programa informático de estatística SPSS, versão 20.

RESULTADOS

Os sujeitos evidenciaram stresse em várias situações inerentes ao quotidiano laboral. Revelam uma forte aceitação e apreciação do humor. A um aumento do nível de stresse corresponde um aumento do sentido de humor.

CONCLUSÕES

O sentido de humor surgiu no estudo como resposta humana ao stresse. Os sujeitos utilizam o sentido humor como estratégia para gerir o stresse ocupacional.

Referências

José, H. e. Parreira, P. (2008). Adaptação para Português da Escala Multidimensional do Sentido de Humor (MSHS). Revista Referência, 2, pp. 7-18.

Fernandes, M. (1996). Avaliação do stress nos enfermeiros de cuidados intensivos. Coimbra: Faculdade de Medicina.

Frederico-Ferreira, M., & Silva, C. (2012). Reformas da gestão na saúde - desafios que se colocam aos enfermeiros. Revista de Enfermagem Referência, III Série(8).

Gonçalves, A. (2013). Gestão do stress em enfermeiros perioperatórios. Dissertação de Mestrado, Associação de Politécnicos do Norte (APNOR) - Instituto Politécnico de Bragança, Bragança.

Rickman, C., & Waybright, L. (2006). Humor - It Works! Extension Service West Virginia Unisersity, USA.

Wanzer, M., Booth-Butterfield, M., & Booth-Butterfield, S. (2005). “If we didn’t use humor, we’d cry”: Humorous coping communication in health care settings. Journal of Health Communication(10), pp. 105-125.

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Santos, M., José, H., & Capelas, M. (2016). Humor e o stresse dos enfermeiros que cuidam com pessoas em fim de vida . Servir, 59(4), 69–74. https://doi.org/10.48492/servir024.24087