Requalificação de espaços residuais portuários

  • Caroline Zenato UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos - São Leopoldo - Escola Politécnica
  • André Souza Silva UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Escola Politécnica - Mestrado Profissional em Arquitetura e Urbanismo

Abstract

A presente pesquisa tem por objetivo identificar estratégias sustentáveis utilizadas na requalificação de vazios urbanos situados em áreas portuárias, de modo a reestruturá-los produtivamente, atentando aos interesses da coletividade. O método consiste na (i) revisão de alguns instrumentos do Estatuto da Cidade, na (ii) compreensão em torno da formação de vazios urbanos e na (iii) análise das soluções adotadas para refuncionalização de setores da cidade, como o marketing urbano. A partir do estudo comparativo é possível verificar que a recuperação dos vazios urbanos portuários depende fundamentalmente do planejamento urbano integrado, centrado nas necessidades sociais e culturais das comunidades enraizadas em torno da área de intervenção.   

Author Biographies

Caroline Zenato, UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos - São Leopoldo - Escola Politécnica
Mestrado Profissional em Arquitetura e Urbanismo
André Souza Silva, UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Escola Politécnica - Mestrado Profissional em Arquitetura e Urbanismo

São Leopoldo, RS – Brasil

Avenida Unisinos, 950 – Cristo Rei – 93022-000

References

ARANTES, O. B. F. (2000), “Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas”, in O. B. F. Arantes, C. B. Vainer, E. Maricato (Org.), A cidade do pensamento único: desmanchando consensos, Petrópolis: Vozes, pp. 11-74.

BRASIL. (1988), Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em 02 out. 2017.

BRASIL. Senado Federal Secretaria Especial de Editoração e Publicações Subsecretaria de Edições Técnicas. (2004), Estatuto da Cidade: e legislação correlata: dispositivos constitucionais Lei no 10.257, de 10 de julho de 2001 Lei no 6.766, de dezembro de 1979, Brasília, DF: Subsecretaria de Edições Técnicas. Disponível em: http://www.vsilva.com.br/dados/Estatuto%20da%20Cidade.pdf. Acesso em 02 out. 2017

COSTA, G. S. da (2015), Reconexão de espaços degradados à cidade por meio da reconversão de uso de vazios industriais: o caso do IV Distrito de Porto Alegre, Dissertação de Mestrado em Arquitetura, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

CPN - CONCESSIONÁRIA PORTO NOVO (2017a), “Operação urbana Porto Maravilha”. Disponível em: http://www.portonovosa.com/pt-br/porto-maravilha. Acesso em 06 set. 2017.

CPN - CONCESSIONÁRIA PORTO NOVO (2016b), “Sobre a concessionária”. Disponível em: http://www.portonovosa.com/pt-br/sobre-a-concessionaria. Acesso em 12 set. 2017.

DIÁRIO DE PERNAMBUCO (2014), “Consórcio Novo Recife apresenta redesenho do projeto no Cais José Estelita”. Disponível em: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/vida-urbana/2014/11/06/interna_vidaurbana,541153/consorcio-novo-recife-apresenta-redesenho-do-projeto-no-cais-jose-estelita.shtml. Acesso em 02 ago. 2017.

EDWARDS, B. (2008), Guia básico para a sustentabilidade, Barcelona: Gustavo Gili.

GOOGLE EARTH (2017a), Vista aérea da área portuária do Rio de Janeiro. Ponteiro 22°54’02.10”S, 43°11’18.60”O. Elevação 16m. Altura do ponto de visão 1km.

GOOGLE EARTH (2017b), Vista aérea do Cais José Estelita em Recife. Ponteiro 8°05’09.84”S, 34°52’50.30”O. Elevação 12m. Altura do ponto de visão 1km.

MENDONÇA, A. S. (2015), “A importância do debate acerca do Cais José Estelita e do projeto Novo Recife para a gestão pública”, artigo apresentado no XVI Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional - ENANPUR, ANPUR, 18-22 maio 2015, Belo Horizonte.

NOVO RECIFE (2014), “O projeto”. Disponível em: http://www.novorecife.com.br/o-projeto. Acesso em 20 set. 2017.

OLIVEIRA, I. C. E. (2001), Estatuto da cidade: para compreender, Rio de Janeiro: IBAM/DUMA.

PORTO MARAVILHA (2017a), “Bhering”. Disponível em: http://www.portomaravilha.com.br/bhering. Acesso em 04 set. 2017.

PORTO MARAVILHA (2017b), “Porto Maravilha”. Disponível em: http://www.portomaravilhario.com.br/portomaravilha. Acesso em 02 out. 2017.

PORTO MARAVILHA (2017c), “Programa Porto Maravilha Cultural”. Disponível em: http://www.portomaravilha.com.br/porto_cultural. Acesso em 18 set. 2017.

PORTO MARAVILHA (2017d), “Programas Porto Maravilha Cultural e Porto Maravilha Cidadão”. Disponível em: http://www.portomaravilha.com.br/cidadaoecultura. Acesso em 20 set. 2017.

QUEIRÓS, J. (2007), “O lugar da cultura nas políticas de reabilitação de centros urbanos: apontamentos a partir do caso do Porto”, artigo apresentado na I Conferência Internacional de Jovens Pesquisadores Urbanos, ISCTE, 11-12 junho 2007, Lisboa.

RIOetc (2015), “Muito prazer, Distrito Criativo do Porto”, Disponível em: http://www.rioetc.com.br/muito-prazer/muito-prazer-distrito-criativo-do-porto/. Acesso em 02 set. 2017.

ROGERS, R. G.; GUMUCHDJIAN, P. (2001), Cidades para um pequeno planeta, Barcelona: Gustavo Gili.

ROLNIK, R. (2001). “Estatuto da Cidade: instrumento para as cidades que sonham crescer com justiça e beleza”, in N. Saule Júnior, R. Rolnik, Estatuto da cidade: novos horizontes para a reforma urbana, São Paulo: Pólis, pp. 5-9.

ROSSI, A. (2001), A arquitetura da cidade, São Paulo: Martins Fontes.

SALGUEIRO, T. B. (1998), “A cidade pós-moderna: espaço fragmentado”, Revista Território, 3(4), pp. 39-53. Disponível em: http://www.revistaterritorio.com.br/pdf/04_4_salgueiro.pdf. Acesso em 02 ago. 2017.

SALGUEIRO, T. B. (1999), “Das mudanças territoriais às da gestão”, Finesterra, 34(67-68), pp. 153-160.

SANTIN, J. R., MARANGON, E. G. (2008), “O estatuto da cidade e os instrumentos de política urbana para proteção do patrimônio histórico: outorga onerosa e transferência do direito de construir”, História (São Paulo), 27(2), pp. 89-109. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742008000200006. Acesso em 02 ago. 2017.

SANTOS, B. (2015), “Reinauguração da Praça Mauá”. Disponível em: http://www.portomaravilha.com.br/fotos_videos/g/26. Acesso em 14 ago. 2017.

SAULE JÚNIOR, N. (2001). “Estatuto da Cidade: instrumento de reforma urbana”, in N. Saule Júnior, R. Rolnik, Estatuto da cidade: novos horizontes para a reforma urbana, São Paulo: Pólis, pp. 10-36.

SOUSA, J. P. M. (2014). Influência da forma urbana na ventilação natural: um estudo de caso no Cais José Estelita, Recife. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Urbano, Recife, Universidade Federal de Pernambuco.

SOUZA, C. L. de, AWAD, J. C. M. (2012), Cidades sustentáveis, cidades inteligentes, Porto Alegre: Bookman.

TITON, C. P. (2012), “Reestruturação produtiva e regeneração urbana”, artigo apresentado na II Conferência de Desenvolvimento - CODE, IPEA, 23-25 novembro 2011, Brasília.

TOLEDO, M. P. de. (2012), Participação de instituições locais em projetos de revitalização urbana: o caso do Projeto Porto Maravilha na cidade do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado em Administração Pública e de Empresas, Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas.

VARGAS, H. C., CASTILHO, A. L. H. (Org.) (2009), Intervenções em Centros Urbanos: objetivos, estratégias e resultados, Barueri: Manoele.

Published
2018-01-03
Section
Article