“We, the girls in my family, always get there early on”

Migrational pathways, social networks and life spaces of migrant domestics

  • Guélmer Júnior Almeida de Faria Universidade Estadual de Montes Claros https://orcid.org/0000-0003-2089-3064
  • Maria da Luz Alves Ferreira Universidade Estadual de Montes Claros
  • Andrea Maria Narciso Rocha de Paula Universidade Estadual de Montes Claros
Keywords: space trajectories, rural-urban migrations, women, migratory networks, housework, Minas Gerais, Brasil

Abstract

This paper analyzes the migratory trajectories of domestic workers from the north of Minas Gerais, considering the focus on social networks and living spaces. Anchored in conducting semi-structured interviews with six migrant women, interpolated with secondary data from the IBGE 2010 Census. It focuses on the causes that cause migration and how social networks contribute to gender relations in migrations. It is concluded that the networks promote the insertion in the labor market, the adaptation in society and the maintenance of family and cultural ties with the destination region, and a ghettoization of female jobs.

Author Biographies

Maria da Luz Alves Ferreira, Universidade Estadual de Montes Claros

Possui doutorado em Ciências Humanas (Sociologia e Política) (2007), pela UFMG, e mestrado em Sociologia pela Universidade de Brasília (2000). Atualmente é professora do Curso de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros. Área de atuação: Sociologia, com ênfase em Teoria Sociológica Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho informal, cidadania e relações de gênero, estratificação e desigualdades sociais: raça, gênero e classe. Exerceu o cargo de Chefe de Departamento de Política e Ciências Sociais da UNIMONTES no bienio de 2007 - 2009 tendo sido reeleita para o biênio 2009-2011. Foi bolsista de Produtividade da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais - BIP/FAPEMIG (2015 e 2016). Foi coordenadora operacional do Doutorado Interinstitucional em Ciências Sociais convênio Universidade Estadual do Rio de Janeiro e Universidade Estadual de Montes Claros 2012 - 2016. Foi coordenadora associada do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social - PPGDS no biênio 2014-2016. Foi Editora da Revista Argumentos no período de 2011 a 2017. Foi coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social - PPGDS para o biênio de 2016-2018. É pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Avaliação de Políticas Publicas e Sociais e do Grupo de Pesquisa Gênero e Violência. É membro Rede Brasileira de Pesquisadores Latino-Americanistas e Caribeanistas - BLAC (desde 2017).

Andrea Maria Narciso Rocha de Paula, Universidade Estadual de Montes Claros

Professora doutora no curso de Ciências Sociais, lotada no Departamento de Política e Ciências Sociais (DPCS) da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES- MG). Docente no Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Social. Professora no Programa de Pós Graduação associado UFMG/UNIMONTES em Sociedade, Ambiente e Território. Bolsista de produtividade BIPDT- Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais/FAPEMIG. Líder do grupo de pesquisa OPARA-MUTUM-Estudos e pesquisas sobre migrações e comunidades tradicionais no Rio São Francisco/Unimontes- CNPq. Pesquisadora do NIISA_ Núcleo Interdisciplinar em Investigação Socioambiental. Doutora em Geografia ( linha de Pesquisa:Analise, Planejamento e Gestão dos espaços urbano e rural) pelo PPGEO-IG-UFU (2009). Estágio realizado no CES- Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra na Faculdade de Economia sobre a orientação do professor Boaventura de Sousa Santos em Coimbra ? Portugal ( 2008) com bolsa da CAPES. Mestrado em Geografia na Universidade Federal de Uberlândia- Instituto de Geografia (2003). Bacharel em Ciências Sociais, pela Universidade Estadual de Montes Claros. Especialista em Ciências Sociais pela UNIMONTES. Experiência em Geografia Cultural e Sociologia e Antropologia rural, metodologia qualitativa, atuando principalmente nos seguintes temas: comunidades tradicionais ribeirinhas, migrações campo-cidade, sertões roseanos. Pesquisadora CNPq e FAPEMIG.

References

Angelin, P. E. (2012), Mulheres migrantes no contexto das fronteiras de gênero e arranjos familiares. 255 f. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, São Carlos/ SP, Universidade Federal de São Carlos.

Assis, G. (2003), “De Criciúma para o mundo” - Os novos fluxos da população brasileira: gênero e rearranjos familiares. In: MARTES, A. C. B., FLEISCHER, S. (Orgs). Fronteiras Cruzadas etnicidade, gênero e redes sociais. São Paulo: Editora Paz e Terra.

Bertoldo, J. (2018), Migração com rosto feminino: múltiplas vulnerabilidades, trabalho doméstico e desafios de políticas e direitos. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 313-323, mai. 2018

Campos, J.; Reis, C. I. S.; Colla, C. (2016), Caracterização espacial da migração de retorno ao Nordeste: uma análise dos fluxos migratórios intermunicipais nos quinquênios 1995- 2000 e 2000-2010. In: XX Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 20, Foz do Iguaçu.

Catarino, C.; Oso, L. (2000), La immigración femenina em Madrid y Lisboa: hacia uma etnización del servicio doméstico y de las empresas de limpeza. Papers, Bellaterra, (60), p. 183-207.

Courgeau, D. (1988), Méthodes de Mesure de la Mobilité Spatiale: Migrations internes, mobilité temporaire, navettes. Paris: Éditions de L’Institut National d’Études Démographiques. 306p.

Crenshaw, K. (2002), Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos

da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, (1) (10), p. 171-188, jan./jul.

Decimo, F. (1998), Living the city the urban integration of Somali women in Naples. In: Shifiting bonds, shifting bounds women, mobility and citizenship in Europe. FERREIRA, V.; TAVARES, T.; PORTUGAL, S. (Orgs.). Oeiras, Celta Editora.

Durham, E. R. (1984), A caminho da Cidade. 3.ed. São Paulo: Perspectiva.

Fazito, D. (2002), A Análise de Redes Sociais (ARS) e a Migração: mito e realidade. In: XIII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 13, Ouro Preto.

Fernandez, B. P. M. (2018), Economia feminista: metodologias, problemas de pesquisa e propostas teóricas em prol da igualdade de gêneros. Revista de Economia Política, São Paulo, (38) (3), p. 559-583, jul./set.

Fonseca, G. S. (2010), Reterritorialização de migrantes temporários mirabelenses. In: XVII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, 17, Caxambu.

_______________. (2015), Migrações da mesorregião Norte de Minas/MG: análises do Censo Demográfico de 2010. 310 f. Tese de Doutorado em Tratamento da Informação Espacial, Belo Horizonte, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Giusti, A.; Calvelo, L. (1999), En búsqueda de una medición de la reversibilidad. Migraciones y Procesos de Integración Regional. S.I: Copiar.

Hagan, J. (1998),“Social Networks, Gender and Immigrant Incorporation: Resources and Constraints.” American Sociological Review, Washington, (63) (1).

Hellermann, C. (2016), Uma relação difícil? Mulheres imigrantes da Europa de Leste e redes sociais. In: Actas dos ateliers do Vº Congresso Português de Sociologia, 5, Lisboa. Anais [...]. Lisboa, 2004. Disponível em: http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR4628e0fa38281_1.pdf.

Herrera, G. (2012), Género y migración internacional en la experiencia latinoamericana. De la visibilización del campo a una presencia selectiva. Política y sociedad, Madrid, (49) (1).

Kofes, S. (2001), Mulher, Mulheres: Identidade, diferença e desigualdade na relação entre patroas e empregadas. Campinas-SP: Editora da Unicamp.

Lima, J. C.; Conserva, M. S. (2006), Redes sociais e mercado de trabalho: entre o formal e o informal. Política & Trabalho Revista de Ciências Sociais, João Pessoa, (24), p. 73-98, abril.

Lisboa, T. K. (2007), Fluxos migratórios de mulheres para o trabalho reprodutivo: a globalização da assistência. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, (15) (3), p. 805-821, set./dez.

Lugones, M. (2008), Colonialidad y Género. Tabula Rasa, Bogotá, Colômbia, (9), p. 73-101, jul./dic.

Lutz, H. (2017), Care as a fictitious commodity: Reflections on the intersections of migration, gender and care regimes. Migration Studies, (5) (3), p. 356–368.

Maciel, L.; Almeida, G. M. R. de. (2018), As potencialidades da perspectiva qualitativa nas pesquisas sobre as identidades sociais e os projetos de mobilidade. In: XXI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, 21, Poços de Caldas, 2018. Anais [...]. Poços de Caldas, 2018. Disponível em: http://www.abep.org.br/xxiencontro/arquivos/R0090-2_1.pdf.

Magliano, M. J.(2008), Mujeres, migración y roles de género. El caso de la migración boliviana hacia Argentina. Amérique Latine Histoire et Mémoire. Les Cahiers ALHIM [En línea], 14, 2007, Publicado em 26 agosto 2008. Disponível em: http://journals.openedition.org/alhim/2102.

Marandola júnior, E.; Mello, L. F. (2005),“Lugar” e “espaço de vida”: novos enfoques para o planejamento e a participação? In: X Encontro de Geógrafos da América Latina, 10, São Paulo.

Monticelli, T. (2017), “Administrando o lar”: a percepção de uma “cultura doméstica” e os desafios do trabalho doméstico remunerado. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 13, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499437788_ARQUIVO_fazendogenero.pdf.

Motta, A. B. da. (1977), Visão de mundo da empregada doméstica: um estudo de caso. 1977. Dissertação de Mestrado em Ciências Humanas, Pós-Graduação em Ciências Humanas, Salvador, Universidade Federal da Bahia.

Neto, M. I. D.; Nazareth, J. (2012), Redes sociais na experiência migratória de mulheres nordestinas. Disponível em: http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/315.%20redes%20sociais%20na%20experi%CAncia%20migrat%D3ria%20de%20mulheres%20nordestinas.pdf.

Nori, N.; Bernardino-costa, J.; Fleischer, S. (2011), Introdução. In: Tensões e experiências: um retrato das trabalhadoras domésticas de Brasília e Salvador. NORI, N.; FLEISCHER, S.; FIGUEIREDO, A.; BERNARDINO-COSTA, J.; CRUZ, T. (Org.). Brasília: CFEMEA: MDG3 Fund, p. 15-28.

Oliveira, M. L. R. (2012), Migrações para assentamentos rurais: analisando as trajetórias de assentados no município de Padre Bernardo no Estado de Goiás Brasil. Mundo agrário, La Plata, (12) (24), jan./jun.

Paula, Andrea Maria Narciso Rocha de. (2009), TRAVESSIAS... Movimentos migratórios em comunidades rurais no Sertão do norte de Minas Gerais. 350 f. Tese de Doutorado em Geografia, Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia.

Piselli, F. (1998), Mulheres migrantes: uma abordagem a partir da teoria das redes. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, (50), fev.

Portugal, S. (2006), Novas famílias, modos antigos. As redes sociais na produção do bem-estar. Tese de Doutoramento em Sociologia, Coimbra: FEUC.

Ramella, F. (1995), Por un uso fuerte del concepto de red en los estudios migratorios, in: Inmigración y redes sociales en la argentina moderna. Tandil: CEMLA-IEHS.

Ramos, N. (2014), Migração, tráfico de pessoas e trabalho doméstico. Revista de Políticas Públicas, São Luís, (18), (2), p. 425-438, jul./dez.

Ravenstein, E. G. (1980), The laws of migration. In: Journal of the statistical society, v. 47. jun. P. 167-227. Tradução em MOURA. H.

Salata, R. (2017), Deslocamentos laborais, espaços de vida e projetos de autonomia: trajetórias de mobilidade em Santa Lúcia – SP. 226 f. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Araraquara, Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista.

Santos, R. J. (2015), Trabalho doméstico remunerado e migração feminina: as construções de gênero na cultura dos lavradores do Norte de Minas Gerais. Revista Fato e Versões, Santa Maria, (17), (13), p. 1-16.

Soares, W., (2003), A emigração valadarense à luz dos fundamentos teóricos da análise de redes sociais. In: Fronteiras Cruzadas: etnicidade, gênero e redes sociais. MARTES, A. C. B.; FLEISCHER, S. R. (Org.). São Paulo: Paz e Terra.

Saquet, M. A.; Mondardo, M. C. (2008), A construção de territórios na migração por meio de redes de relações sociais. Revista NERA, Presidente Prudente, (11) (13), p. 118-127 , jul./dez.

Sousa, L. G. (2016), Redes sociais, mercado e cultura migratória: um estudo sobre fatores associados à mobilidade populacional na microrregião de Governador Valadares no século XXI. 154 f. Tese de Doutorado em Demografia, Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais.

Teixeira, M. A. de A. (2015), “Metronormatividades” nativas: migrações homossexuais e espaços urbanos no Brasil. Áskesis, São Carlos, SP, (4) (1), p.23-38.

Truzzi, O. (2008), Redes em processos migratórios. Revista Tempo Social, São Paulo, (20) (1), p. 199-218.

Published
2020-06-26
Section
Dossier Articles