DISTRIBUIÇÃO E DETERMINANTES DE PARÂMETROS BIOMÉTRICOS OCULARES EM CANDIDATOS A CIRURGIA DE CATARATA EM PORTUGAL

  • Tiago Ferreira
  • Bernardo Feijoo
  • Leyre Zabala
  • Paul Campos
  • Paulo Guerra
  • Filomena Ribeiro
Palavras-chave: catarata, biometria

Resumo

Objetivo

Descrever os parâmetros biométricos oculares médios e suas associações numa população de candidatos a cirurgia de catarata em Portugal.

Material e Métodos

Foi realizado um estudo retrospetivo de 3253 olhos de 2928 doentes. O comprimento axial (AL), queratometria média (Km) e astigmatismo, profundidade da câmara anterior (ACD), espessura do cristalino (LT) e branco-a-branco (WTW) foram estudados por refletometria de coerência ótica (Lenstar LS900, Haag-Streit AG).

Resultados

A idade média foi de 70 ± 10 (45 – 99) anos. O AL, Km e ACD médios foram de 23.83 ± 1.54 mm (19.8 – 31.92), 43.85 ± 1.11 D (40.61 – 54.62) e 3.25 ± 0.46 mm (1.85 – 5.42), respetivamente. A LT média foi de 4.35 ± 0.49 mm (2.73 – 5.77) e o WTW médio de 12.00 ± 0.47 mm (9.13 – 14.15). O astigmatismo corneano médio foi de 1.10 ± 0.90 D (0 – 4.0), tendo 42.7% dos olhos astigmatismo ³ 1 D. Os doentes do sexo masculino apresentaram maiores AL e ACDs (p<.001). Em modelos multivariáveis ajustados para a idade, sexo, Km, ACD, LT e WTW, um maior AL esteve associado ao sexo masculino, e a maior ACD, LT e WTW.

Conclusões

Estes dados representam valores biométricos normativos para a população portuguesa. O maior preditor da biometria ocular foi o sexo. Não se verificou uma correlação significativa entre a idade e AL, ACD ou Km. 42.7% dos olhos apresentaram astigmatismo corneano ³ 1 D. Estes resultados podem ser relevantes não só na avaliação do erro refrativo como no cálculo da LIO para emetropia.

Publicado
2018-03-01
Secção
Artigos originais