DESMASCARANDO O QUERATOCONE: EFEITO DO EPITÉLIO CORNEANO NO QUERATOCONE

  • João Coelho Centro Hospitalar Universitário do Porto

Resumo

Introdução:Na presença de uma córnea irregular, como no queratocone, o epitélio tem uma distribuição diferente do normal, “mascarando” a irregularidade do estroma. A avaliação topográfica sem considerar o efeito do epitélio pode induzir uma avaliação menos correta, afetando a precisão de um eventual tratamento guiado por topografia. O objetivo deste trabalho é avaliar o efeito de “máscara” do epitélio no queratocone, comparando a tomografia corneana com e sem epitélio, no decurso da realização de Crosslinking (CXL).

Materiais e métodos:5 olhos de 5 doentes com queratocone em progressão submetidos a CXL segundo o protocolo original de Dresden. Foi realizada tomografia corneana antes e durante o procedimento (imediatamente após a remoção do epitélio), e avaliados os valores da queratometria - K1, K2, K médio (Km), ponto de máxima curvatura (Kmax), valores paquimétricos e astigmatismo corneano.

Resultados:Os valores médios de curvatura corneanas antes e após a remoção do epitélio foram de: K1: 42,96±2,69D e 44,32±2,64D (p=0,080); K2: 46,84±3,35D e 49,38±2,86D (p=0,031); Km: 44,8±2,94D e 46,72±2,60D (p=0,042). Observou-se igualmente um aumento estatisticamente significativo do valor de queratometria máxima após a remoção do epitélio (p=0,043), bem como do astigmatismo da superfície anterior da córnea (p=0,038). Na paquimetria central observou-se uma redução média de 29,8µm de 528,0±38,5µm para 498,2±37,7µm (p= 0,027).

 Conclusão:Observou-se um aumento estatisticamente significativo nos valores do Kmax, K2, Kmédio e astigmatismo corneano, após remoção do epitélio. Este estudo demonstra o efeito de “máscara” que o epitélio exerce no queratocone.

Biografia do Autor

João Coelho, Centro Hospitalar Universitário do Porto
Serviço de Oftalmologia - Centro Hospitalar Universitário do Porto
Publicado
2019-06-08
Secção
Artigos originais