Oclusão de ramo arterial inferior da retina tratada com triamcinolona intravítrea: caso clínico

  • Joana Mendes Pereira Centro Hospitalar de Leiria
  • António Campos Centro Hospitalar de Leiria
  • Mónica Santos Centro Hospitalar de Leiria
  • Henrique Aragão Centro Hospitalar de Leiria
  • Henrique Aragão Centro Hospitalar de Leiria
  • Maria João Vieira Centro Hospitalar de Leiria
  • João Paulo Castro Sousa Centro Hospitalar de Leiria

Resumo

Objetivo: Relatar o caso de uma doente do sexo feminino de 48 anos com diminuição súbita da acuidade visual no olho direito (OD).

Métodos: Trata-se de um relato de caso clínico retrospetivo e descritivo, baseado em dados do processo clínico, observação da doente e análise de testes diagnósticos complementares.

Resultados: Doente do sexo feminino de 48 anos sem história pessoal ou familiar relevante, com a exceção do uso de contracetivos orais, apresenta perda de acuidade visual súbita, escotoma central e superior no OD. A melhor acuidade visual corrigida (MAVC) era de 20/32 no olho OD e 20/20 no olho esquerdo (OE). A fundoscopia do OD revelava manchas algodonosas no território da artéria retiniana temporal inferior. A tomografia de coerência ótica (OCT) mostrava aumento da espessura macular central principalmente ao nível da camada de fibras nervosas. A angiografia com fluoresceína do OD mostrava paragem de circulação da fluoresceína no surgimento da artéria retiniana temporal inferior. Os campos visuais demonstravam um defeito altitudinal superior em relação ao meridiano horizontal. Uma injeção intravítrea de 3,2 mg de triamcinolona foi administrada num período inferior a 24 horas. A MAVC melhorou até 20 / 20-1L em 3 meses, com melhoria do defeito do campo visual.

Conclusão: Os esteroides intravítreos administrados em poucas horas após a oclusão arterial podem limitar a extensão da apoptose nas proximidades das áreas isquémicas, limitando defeitos de campo visual e as perdas da visão central.

 

 

Publicado
2019-07-05
Secção
Comunicações curtas e casos clínicos