Resposta Isotópica de Wolf – a propósito de um caso clínico

  • Sara Pereira

Resumo

 

Introdução: O fenómeno isotópico de Wolf consiste no desenvolvimento de uma dermatose que surge na localização de outra lesão cutânea prévia, não relacionada, e já cicatrizada. Na maioria dos casos, a primeira dermatose é um Herpes. A resposta isotópica pode ter diversas apresentações.

Material e métodos: Caso clínico.

Resultados: Descreve-se o caso de uma paciente do sexo feminino de 75 anos que recorreu ao Serviço de Urgência pelo aparecimento de lesões papulosas e eritematosas frontais e periorbitárias direitas. Doente com história prévia de Herpes zoster oftálmico na mesma localização, 3 meses antes do episódio atual. Apresentava ainda história de leucemia linfocítica crónica em remissão. Foi realizado estudo histopatológico que evidenciou infiltrado nodular difuso da derme, com pequenos linfócitos irregulares. O estudo imunohistoquímico foi positivo para os marcadores CD5+, CD20+ e CD23+, compatível com o diagnóstico de infiltração cutânea por leucemia linfocítica crónica-B.

Conclusão: O fenómeno isotópico de Wolf é uma entidade rara e subdiagnosticada na prática clínica.

Palavras-chave: Fenómeno isotópico de Wolf; Resposta isotópica; Herpes Zoster

Publicado
2019-10-13
Secção
Comunicações curtas e casos clínicos