Hipertensão Ocular após cirurgia de Descolamento de Retina Regmatógeno

  • Rita Couceiro Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Inês Leal Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Helena Proença Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Mun Faria Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
  • Manuel Monteiro-Grillo Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
Palavras-chave: descolamento de retina regmatógeno, vitrectomia, cerclage, óleo de silicone, hipertensão ocular

Resumo

Introdução: A hipertensão ocular (HTO) pós-operatória é uma complicação subestimada pela maioria dos cirurgiões vítreo-retinianos, tendo elevada incidência e potencial para um mau resultado funcional. Contrastando com a maioria dos estudos, avaliámos esta problemática numa única patologia - o descolamento de retina (DR) regmatógeno. Métodos: Avaliação retrospetiva de 143 doentes submetidos a cirurgia de DR regmatógeno ao longo de 4 anos. O outcome estudado foi a HTO pós-operatória e sua relação com factores de risco cirúrgicos. Excluíram-se doentes sem informação sobre pressão intraocular (PIO), com follow-up <3 meses, HTO/glaucoma prévio, cirurgia anterior de DR, descolamento de coroideia, complicações intra-operatórias ou recidiva precoce de DR. Resultados: 66 doentes foram incluídos. A incidência de HTO pós-operatória foi 37,9% (25 doentes), com um aumento de 15,6 ± 6,2 mmHg de PIO relativamente ao valor pré-operatório. A maioria destes doentes (88%) apresentou HTO nos primeiros 10 dias após cirurgia. A HTO foi transitória e resolvida com fármacos hipotensores oculares pontuais em 11 doentes. 12 doentes cumpriram terapêutica cronicamente e 2 doentes foram submetidos a cirurgia de glaucoma. A HTO pós-operatória revelou-se estatisticamente independente da técnica cirúrgica realizada (vitrectomia isolada ou em associação com cerclage; P=0,1), do tipo de tamponamento (silicone ou gás; P=0,3) e da cirurgia simultânea de cristalino (P=0,5). Conclusões: A HTO no período pós-operatório precoce foi uma complicação frequente após cirurgia de DR regmatógeno. A terapêutica médica hipotensora ocular foi suficiente para controlar a maioria dos casos. A cerclage, o tamponamento com silicone e a cirurgia simultânea de cristalino não foram associados a maior risco de HTO pós-operatória.

Biografias do Autor

Rita Couceiro, Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
Internato Complementar de Oftalmologia
Inês Leal, Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
Internato Complementar de Oftalmologia
Helena Proença, Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
Departamento de Retina Cirúrgica
Mun Faria, Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
Responsável do Departamento de Retina Cirúrgica
Manuel Monteiro-Grillo, Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte
Diretor do Serviço
Publicado
2016-04-29
Secção
Artigos originais