POSICIONAMENTO DE LENTES INTRA-OCULARES MULTIFOCAIS DIFRATIVAS E A SUA INFLUÊNCIA NO PERFIL DE ABERROMETRIA AVALIADO POR RAY TRACING

  • José F. Costa Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC)
  • Andreia Rosa Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC) Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC)
  • Amélia Martins Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC)
  • Elisabete Almeida Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC)
  • Ricardo Araújo Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC)
  • Filipe Rito Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC)
  • João Póvoa Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC)
  • Conceição Lobo Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC) Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC)
  • Joaquim Murta Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CRIO-CHUC) Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC)
Palavras-chave: Aberrometria por ray tracing, ângulo α, ângulo κ, lentes multifocais, descentramento de lentes

Resumo

OBJETIVO Avaliar o posicionamento de lentes intraoculares multifocais difrativas e a sua influência no perfil de aberrometria. MATERIAL E MÉTODOS Estudo prospetivo de 30 olhos (15 doentes) com implante bilateral sequencial de lentes multifocais difrativas centradas no eixo visual. Na 4ª semana do período pós-operatório, foi realizado um exame oftalmológico completo, que incluiu a avaliação do perfil de aberrometria e posicionamento da lente através de um aberrómetro do tipo ray tracing. RESULTADOS A distância média do centro da lente ao eixo visual foi de 0.176mm (0.037-0.423mm). Este descentramento foi mais significativo em doentes com maior desvio a, ou seja, naqueles com um globo ocular mais assimétrico, em que o eixo visual está mais afastado do centro do saco capsular (r=,460, p=,011). Não houve correlação entre o descentramento da lente em relação ao eixo visual e parâmetros óticos qualitativos. Pelo contrário, quanto maior o ângulo k e o descentramento da lente em relação ao centro pupilar, mais aberrações de alta ordem foram observadas (r=,384, p=,036 e r=,431, p=,018, respetivamente). CONCLUSÕES Três semanas após o implante de uma lente multifocal centrada ao eixo visual, esta mantém a sua posição no saco capsular. Para valores de descentramento até 0.423mm não se observou uma degradação da qualidade ótica. O descentramento da lente em relação ao centro da pupila leva a um aumento significativo das aberrações de alta ordem. Os nossos resultados sugerem que as lentes multifocais difrativas devem ser centradas entre o eixo visual e o pupilar, no ponto intermédio do ângulo k.

Publicado
2016-10-18
Secção
Artigos originais