INFLUÊNCIAS CULTURAIS – A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO DE PARASITOSE INTESTINAL

Authors

  • Ana Rita Reis
  • Maria Eduarda Vidal

DOI:

https://doi.org/10.25753/BirthGrowthMJ.v24.i0.9645

Abstract

Introdução: A incidência de parasitoses intestinais decresceu nas últimas décadas em Portugal, sobretudo devido à melhoria das condições higieno-sanitárias. Apesar de escassos estudos de prevalência, considera-se que Portugal é um país com baixa taxa de parasitismo. Este caso pretende ilustrar como, por vezes, uma pequena suspeita clínica pode ser importante no diagnóstico, como a abordagem holística é importante na compreensão das atitudes dos utentes, e especialmente como o património cultural pode influenciar a adesão e compreensão da terapêutica.

Caso Clínico: Menino de 5 anos, pertencente a uma família nuclear na fase III do ciclo de Duvall, classe média, segundo a escala de Graffar. Os progenitores são oriundos do leste da Europa, residindo em Portugal desde 2009. Na consulta de vigilância, a mãe referiu que, por vezes, notava “fitas brancas” nas fezes e questionou sobre a desparasitação intestinal. A criança não apresentava história de diarreia crónica nem alterações ao exame objetivo, nomeadamente rebate no peso. Dada a suspeita, foi pedido exame parasitológico de fezes, que revelou a presença de Hymenolepsis nana, um parasita da família das ténias. Foi contactado o hospital de referência, uma vez que o tratamento adequado (praziquantel) é de uso hospitalar. Contudo, dada a inexistência do fármaco, foi dada indicação de cumprir 3 dias de albendazol, com repetição 15 dias depois, no mesmo esquema. A criança manteve-se assintomática e sem afetação do crescimento estaturo-ponderal. Foi reavaliada cerca de um mês depois, sem alterações assinaláveis. Contudo, a mãe insistiu que deveria repetir novo ciclo de tratamento, porque leu que se deve fazer profilaxia de infeção por Giardia e na sua terra se fazia assim. Embora tenha sido explicado que não é indicado e que pode haver efeitos secundários, não se conseguiu demovê- -la do seu objetivo e a criança foi medicada.

Discussão: Atualmente, a OMS recomenda a profilaxia de rotina apenas em países com taxas de parasitismo superiores a 20%. As desparasitações de rotina podem provocar diarreia crónica e levar ao desenvolvimento de resistências, pelo que são desaconselhadas. Porém, perante a suspeita clínica, mesmo com exame parasitológico inicial negativo, é lícito fazer prova terapêutica. É importante atentar sempre nas expectativas e cultura de cada pessoa, dado que influenciam a tomada de decisões. Esta mãe, apesar de concordar acerca dos riscos, insistiu na administração do fármaco, mesmo sendo desaconselhado.

Downloads

Download data is not yet available.

How to Cite

1.
Reis AR, Vidal ME. INFLUÊNCIAS CULTURAIS – A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO DE PARASITOSE INTESTINAL. REVNEC [Internet]. 2015Dec.1 [cited 2022Oct.6];24:S32. Available from: https://revistas.rcaap.pt/nascercrescer/article/view/9645