LINFOMA INTRAOCULAR PRIMÁRIO – CASO CLINICO

Autores

  • Andreia Silva Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia (CRIO) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)
  • Cristina Fonseca Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia (CRIO) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)
  • Julia Fernandes Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia (CRIO) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)
  • Rui Proença Centro de Responsabilidade Integrado de Oftalmologia (CRIO) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)

DOI:

https://doi.org/10.48560/rspo.14286

Palavras-chave:

Uveíte, Síndrome mascarada, Linfoma intraocular primário, Injeção intravítrea, Metotrexato

Resumo

Introdução: O Linfoma Intraocular Primário é uma neoplasia rara que pode envolver o vítreo, retina, epitélio pigmentar da retina, membrana de Bruch e o nervo ótico. Manifesta-se de forma independente ou associado ao linfoma do sistema nervoso central e frequentemente manifesta-se como uma uveíte posterior de difícil tratamento. Esta forma de linfoma é um dos tumores intraoculares mais desafiantes de se diagnosticar.

Caso clinico: Relatamos o caso de um linfoma intraocular primário num doente do sexo masculino de 67 anos cuja manifestação inicial foi uma uveíte posterior unilateral. Foi submetido a tratamento com injeções intravítreas de metotrexato duas vezes por semana durante 1 mês, semanalmente no mês seguinte e mensalmente até perfazer um ano.

Discussão: O linfoma intraocular primário é reportado como sendo a síndrome mascarada ocular mais comum. Perante a diversidade de apresentações é difícil fazer o diagnóstico precoce, sendo necessário um elevado índice de suspeição. As recomendações publicadas para o tratamento do linfoma intraocular primário variam no caso de envolvimento exclusivamente ocular. O metotrexato intravítreo tem sido uma das opções mais utilizadas, geralmente administrado num esquema intensivo de indução-consolidação-manutenção. No caso apresentado a quimioterapia IV foi eficaz com complicações oculares mínimas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-09-01

Como Citar

Silva, A., Fonseca, C., Fernandes, J., & Proença, R. (2019). LINFOMA INTRAOCULAR PRIMÁRIO – CASO CLINICO. Revista Sociedade Portuguesa De Oftalmologia, 43(2). https://doi.org/10.48560/rspo.14286

Edição

Secção

Comunicações curtas e imagens em Oftalmologia