Influence of intensive near-work on refractive, biometric and topographic changes in last year Portuguese medical students: one-year longitudinal study

Autores

  • Sónia Torres Costa Departamento de Oftalmologia do Centro Hospitalar São João, Porto
  • Sara Sousa Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, Portugal.
  • Jorge Meira Departamento de Oftalmologia, Centro Hospitalar Universitário de São João, Porto, Portugal.
  • Elisete Brandão Departamento de Oftalmologia, Centro Hospitalar Universitaário de São João, Porto, Portugal.
  • Fernando Falcão-Reis Departamento de Oftalmologia, Centro Hospitalar Universitário de São João, Porto, Portugal; Departamento de Cirurgia e Fisiologia, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal.
  • Manuel Falcão Departamento de Oftalmologia, Centro Hospitalar Universitário de São João, Porto, Portugal; Departamento de Cirurgia e Fisiologia, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.48560/rspo.21269

Resumo

Objetivo: Analisar as alterações refrativas, biométricas e topográficas, em estudantes de medicina Portugueses, no último ano da faculdade, expostos a um elevado nível de exigência académica durante o estudo para o exame de acesso à formação específica.

Métodos: Estudo coorte longitudinal com a duração de um ano. Foram obtidos dados relativos à refração ocular, comprimento axial, queratometria, espessura da córnea em diferentes pontos, assim como, espessura e volume da mácula. Os exames oftalmológicos foram realizados 6 meses antes do exame de acesso à formação específica, repetidos 1 mês depois e, por fim, 6 meses após o exame.

Resultados: Vinte e cinco estudantes de medicina foram incluídos. Inicialmente, o valor médio do equivalente esférico foi -1,57 ± 1,29 dioptrias (D). Na 2ª visita, foi -1,73 ± 1,44 D e, na 3ª visita, foi -1,40 ± 1,39 D. Não se observaram diferenças estatisticamente significativas no equivalente esférico entre a 1ª e 2ª visitas (p=0,055) e a 1ª e 3ª visitas (p=0,331). Na 1ª, 2ª e 3ª visita o comprimento axial foi 23,91 ± 0,99 mm; 24,01 ± 0,98 mm e 23,94 ±1,03 mm, respetivamente. O aumento do comprimento axial entre a 1ª e a 2ª visitas foi estatisticamente significativo (p<0,001). Contudo, entre a 1ª e a 3ª visitas, a sua variação não foi significativa (p=0,414). A espessura da córnea e a queratometria no eixo mais curvo da superfície posterior da córnea, diminuíram significativamente entre a 1ª e a 2ª visitas (p<0,05). Não se verificou uma variação estatisticamente significativa na espessura e no volume da retina na região foveal e parafoveal durante o período de seguimento.

Conclusão: Não foi possível demonstrar uma miopização significativa nos estudantes de medicina portugueses após um longo período de estudo. A ausência de significância estatística pode ter sido condicionada pelo tamanho limitado da amostra. Os valores do estado refrativo após 6 meses de suspensão do estímulo acomodativo reverteram para valores semelhantes aos iniciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Costa, S. T., Sousa, S., Meira, J., Brandão, E., Falcão-Reis, F., & Falcão, M. (2020). Influence of intensive near-work on refractive, biometric and topographic changes in last year Portuguese medical students: one-year longitudinal study. Revista Sociedade Portuguesa De Oftalmologia, 44(4). https://doi.org/10.48560/rspo.21269

Edição

Secção

Artigos originais