Uso de Antituberculostáticos em Doentes com Doenças Inflamatórias Oculares num Centro Terciário de Oftalmologia em Portugal

Autores

  • Catarina Xavier Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa, Portugal
  • Diogo Maleita Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa, Portugal
  • Miguel Boncquet Vieira Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa, Portugal
  • Rita Anjos Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa, Portugal
  • Fernando Pinto Ferreira Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa, Portugal
  • Rita Pinto Proença Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.48560/rspo.25651

Palavras-chave:

Antituberculosos, Testes de Liberação de Interferon-gama, Teste Tuberculínico, Tuberculose Latente, Tuberculose Ocular

Resumo

Introdução: A tuberculose ocular (TBO) é uma forma rara de tuberculose (TB) extrapulmonar. O diagnóstico é normalmente presuntivo, com base em fatores epidemiológicos locais, fenótipo ocular e testes imunológicos concordantes: teste cutâneo de tuberculina (Mantoux), IGRA ou ambos. O objetivo deste estudo foi analisar os doentes tratados com antibacilares por TBO ou infeção tuberculosa latente (ITBL) na consulta de uveítes de um hospital terciário de referência.

Material e Métodos: Foram incluídos neste estudo os doentes observados entre 2015 e 2021 na consulta de uveítes e que foram tratados com antibacilares. Foram divididos em 2 grupo: o grupo de TBO e o grupo de ITBL. Os dados colhidos foram analisados com o SPSS statistics®.

Resultados: Foram incluídos 38 doentes com TBO com uma média de 53,39 anos de idade dos quais 21,1% eram imigrantes e 2,6% eram HIV+. Encontrou-se um teste IGRA positivo e/ou teste de Mantoux≥15 mm em 97,38%. A forma mais prevalente de TBO foi a panuveíte (36,8%), seguida da uveíte posterior (21,1%), uveíte anterior (13,2%), uveíte intermédia (13,2%), vasculite retiniana (7,9%), esclerite (5,3%) e episclerite (2,6%). Em 81,6% dos casos usou-se rifampicina (RIF), isoniazida (INH), etambutol e pirazinamida durante os primeiros 2 meses, seguido de INH + RIF. A duração média total do tratamento foi de 8,7 meses. O grupo de ITBL incluiu 16 doentes dos quais 18,8% eram imigrantes e nenhum era HIV+. Em 93,75% dos casos o diagnóstico foi baseado num IGRA positivo e/ou teste de Mantoux ≥15 mm. A maioria (93,75%) foi testada e tratada profilaticamente antes do início de imunossupressão.

Conclusão: A incidência de TB em Portugal continua a ser uma das mais elevadas da União Europeia. Os imigrantes representaram 24,6% dos casos em 2019, o que é semelhante à prevalência encontrada no nosso estudo. Por outro lado, 9% dos doentes com TB em 2019 eram HIV+, o que é mais alto do que o encontrado neste estudo. Quase todos os doentes com uveíte seguidos no serviço são testados para TB e o limiar para início de antibacilares é baixo, mas a testagem e tratamento da TB só devem ser consideradas no contexto de uma forte suspeita clínica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

– Asia Pacific - American Academy of Ophthalmology. Ocular Tuberculosis (TB) [Internet] [cited September 2021]. Available from: https://www.aao.org/topic-detail/ocular-tuberculosis-tb--asia-pacific-2

- Testi I, Agrawal R, Mehta S, Basu S, Nguyen Q, Pavesio C, Gupta V. Ocular tuberculosis: Where are we today? Indian J Ophthalmol. 2020;68:1808-17. doi: 10.4103/ijo.IJO_1451_20.

- Figueira L, Fonseca S, Ladeira I, Duarte R. Ocular tuberculosis: Position paper on diagnosis and treatment management. Rev Port Pneumol. 2017;23:31-8. doi: 10.1016/j.rppnen.2016.10.004.

- Agrawal R, Agarwal A, Jabs DA, Kee A, Testi I, Mahajan S, et al. Standardization of Nomenclature for Ocular Tuberculosis - Results of Collaborative Ocular Tuberculosis Study (COTS) Workshop. Ocul Immunol Inflamm. 2019;1-11. doi: 10.1080/09273948.2019.1653933

- Agrawal R, Testi I, Bodaghi B, Barisani-Asenbauer T, McCluskey P, Agarwal A, et al. Collaborative Ocular Tuberculosis Study Consensus Guidelines on the Management of Tubercular Uveitis-Report 2: Guidelines for Initiating Antitubercular Therapy in Anterior Uveitis, Intermediate Uveitis, Panuveitis, and Retinal Vasculitis. Ophthalmology. 2021;128:277-87. doi: 10.1016/j.ophtha.2020.06.052.

- Yeh S, Sen HN, Colyer M, Zapor M, Wroblewski K. Update on ocular tuberculosis. Curr Opin Ophthalmol. 2012;23:551-6. doi: 10.1097/ICU.0b013e328358ba01.

- Agrawal R, Testi I, Mahajan S, Yuen YS, Agarwal A, Kon OM, et al. Collaborative Ocular Tuberculosis Study Consensus Guidelines on the Management of Tubercular Uveitis-Report 1: Guidelines for Initiating Antitubercular Therapy in Tubercular Choroiditis. Ophthalmology. 2021;128:266-76. doi: 10.1016/j.ophtha.2020.01.008.

- Lee C, Agrawal R, Pavesio C. Ocular Tuberculosis--A Clinical Conundrum. Ocul Immunol Inflamm. 2016;24:237-42. doi: 10.3109/09273948.2014.985387.

- Trad S, Saadoun D, Errera MH, Abad S, Bielefeld P, Terrada C, et al. Tuberculose oculaire. Rev Med Interne. 2018;39:755-64. doi: 10.1016/j.revmed.2018.05.003.

- Hasan T, Au E, Chen S, Tong A, Wong G. Screening and prevention for latent tuberculosis in immunosuppressed patients at risk for tuberculosis: a systematic review of clinical practice guidelines. BMJ Open. 2018;12;:e022445. doi: 10.1136/bmjopen-2018-022445.

- Programa Nacional para a Tuberculose. Relatório de Vigilância e Monotorização da Tuberculose em Portugal. Dados definitivos 2018/19. Lisboa: Direção-Geral da Saúde; 2020.

- Testi I, Agrawal R, Mahajan S, Agarwal A, Gunasekeran DV, Raje D, et al. Gupta V. Tubercular Uveitis: Nuggets from Collaborative Ocular Tuberculosis Study (COTS)-1. Ocul Immunol Inflamm. 2019;25:1-9. doi: 10.1080/09273948.2019.1646774.

Gupta A, Sharma A, Bansal R, Sharma K. Classification of intraocular tuberculosis. Ocul Immunol Inflamm. 2015;23:7-13. doi: 10.3109/09273948.2014.967358.

Ficheiros Adicionais

Publicado

2021-12-31

Como Citar

Xavier, C., Maleita, D., Boncquet Vieira, M., Anjos, R., Pinto Ferreira, F., & Pinto Proença, R. (2021). Uso de Antituberculostáticos em Doentes com Doenças Inflamatórias Oculares num Centro Terciário de Oftalmologia em Portugal. Revista Sociedade Portuguesa De Oftalmologia, 45(4), 195–201. https://doi.org/10.48560/rspo.25651

Edição

Secção

Artigos Originais