Implicações do estudo da crise económica na saúde mental dos Portugueses

  • José Miguel Caldas-de-Almeida Lisbon Institute of Global Mental Health Chronic Diseases Research Center (CEDOC)/NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas | NOVA University of Lisbon Rua do Instituto Bacteriológico, 5, Edifício Amarelo | 1150-190 Lisboa https://orcid.org/0000-0003-1902-6772
  • Manuela Silva Lisbon Institute of Global Mental Health Chronic Diseases Research Center (CEDOC)/NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas | NOVA University of Lisbon Rua do Instituto Bacteriológico, 5, Edifício Amarelo | 1150-190 Lisboa
  • Diana Frasquilho Lisbon Institute of Global Mental Health Chronic Diseases Research Center (CEDOC)/NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas | NOVA University of Lisbon Rua do Instituto Bacteriológico, 5, Edifício Amarelo | 1150-190 Lisboa
  • Ana Antunes Lisbon Institute of Global Mental Health Chronic Diseases Research Center (CEDOC)/NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas | NOVA University of Lisbon Rua do Instituto Bacteriológico, 5, Edifício Amarelo | 1150-190 Lisboa
  • Cardoso Graça Lisbon Institute of Global Mental HealthChronic Diseases Research Center (CEDOC)/NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas | NOVA University of Lisbon Rua do Instituto Bacteriológico, 5, Edifício Amarelo | 1150-190 Lisboa https://orcid.org/0000-0003-1756-0197
Palavras-chave: crise económica, saúde mental, implicações políticas

Resumo

Introdução: A investigação mostra que, em períodos de recessão económica, a saúde mental da população é negativamente afetada, e que os países podem proteger a sua população destes riscos para a saúde mental se fortalecerem as suas políticas e reorientarem os seus serviços de acordo com recomendações baseadas na evidência disponível. Apesar de Portugal ter sido dos países europeus mais afetados pela crise económica que teve início em 2008, pouca atenção foi dada às potenciais consequências negativas delas resultantes para a saúde mental e bem-estar da população portuguesa. O Estudo MH-Crisis Impact foi promovido para colmatar esta lacuna e contribuir para a fundamentação de políticas que possam mitigar os efeitos da crise e prevenir os efeitos de crises futuras.
Objetivos: Estudar os efeitos da crise económica na saúde mental dos portugueses e discutir as suas implicações a nível político.
Métodos: Compararam-se dados epidemiológicos sobre as perturbações mentais, os seus
determinantes e a utilização de serviços, antes e depois da crise, e realizou-se um estudo qualitativo a nível dos cuidados de saúde primários.
Resultados: O estudo mostrou um aumento substancial da prevalência de sofrimento psicológico entre 2008 e 2015, particularmente relevante para quem já pertencia a um grupo vulnerável, bem como várias insuficiências na resposta do Serviço Nacional de Saúde ao aumento das necessidades de cuidados de saúde mental durante a crise.
Conclusões: A discussão das implicações destes resultados permite concluir que a redução dos problemas de saúde mental das populações afetadas pela recente crise económica, e a preparação do país para uma melhor prevenção de problemas de saúde mental em futuras crises económicas, exige: 1. Uma estratégia geradora de maior compromisso político; 2. Uma atualização do plano nacional de saúde mental; 3. Estratégias abrangentes visando melhorar a proteção social, diminuir as desigualdades de rendimento e mitigar os impactos do desemprego; e 4. Assegurar a todas as populações o acesso a cuidados de saúde mental integrados.

Publicado
2019-08-18
Secção
Editorial Convidado