A Temporalidade na Esquizofrenia

  • João Miguel Malhadas Martins Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar Barreiro-Montijo
Palavras-chave: Tempo, Temporalidade, Esquizofrenia, Fenomenologia, Psicopatologia, Intersubjetividade, Self

Resumo

Introdução: A temporalidade é um elemento essencial e organizador da vivência do ser. É um elemento fundamental  na coerência do self. Apesar da sua importância, é um tema relativamente pouco investigado, particularmente na esquizofrenia, onde tem sido sugerido que alterações da vivência do tempo podem ser fenómenos nucleares da psicopatologia na esquizofrenia.

Objetivo: Com este trabalho pretende-se compreender de que forma as alterações na temporalidade podem estar  relacionadas com a psicopatologia na esquizofrenia.

Métodos: Foi efetuada uma revisão seletiva da literatura a partir da base de dados PubMed a partir do ano 2000, e posteriormente em textos clássicos de psicopatologia.

Resultados e Conclusões: São distinguidos os constructos de tempo, tempo vivido e temporalidade. São descritas evidências e formuladas hipóteses da forma como as alterações da vivência do tempo poderão afetar os indivíduos  com esquizofrenia. É apresentado o processo de síntese constitutiva de protensão-impressão-retenção, essencial à vivência do tempo implícito. Por fim, é demonstrado como uma falha neste processo pode afetar a vivência temporal da pessoa com esquizofrenia.

Biografia do Autor

João Miguel Malhadas Martins, Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar Barreiro-Montijo
Médico Interno de Psiquiatria do Centro Hospitalar Barreiro-Montijo
Publicado
2017-03-15
Secção
Artigos de Revisão