Tornar-se mãe de um segundo filho: O momento do nascimento

Autores

  • Joana Rita Guarda da Venda Rodrigues Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa, Portugal; Centro de Investigação, Inovação e Desenvolvimento em Enfermagem de Lisboa (CIDNUR). Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa, Portugal https://orcid.org/0000-0002-9323-9410
  • Maria Antónia Miranda Rebelo Botelho Alfaro Velez Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa, Portugal; Centro de Investigação, Inovação e Desenvolvimento em Enfermagem de Lisboa (CIDNUR). Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa, Portugal https://orcid.org/0000-0001-7356-2053

DOI:

https://doi.org/10.12707/RV21002

Palavras-chave:

mães, irmãos, parentalidade, nascimento, família, enfermagem

Resumo

Enquadramento: Tornar-se mãe de um segundo filho, enquanto fenómeno de transição na parentalidade, exige da mulher uma transição para novos papéis e responsabilidades, traduzindo-se num período de maior vulnerabilidade.

Objetivo: Compreender o sentido da experiência vivida da mulher ao tornar-se mãe de um segundo filho.

Metodologia: Estudo qualitativo, de desenho fenomenológico hermenêutico. Atividades desenvolvidas no processo de análise de dados tiveram em consideração as orientações de van Manen. Cumpriram-se pressupostos éticos.

Resultados: O tema, o momento do nascimento, manifesta-se no encontro entre a mulher e o segundo filho, sendo um momento apresentado como “só eu e ele”. A partir deste momento, iniciam-se, encontro(s) e/ou o (des)encontro(s) com o outro, que é o segundo filho, e nasce a (nova) identidade familiar. O afeto e as emoções, mas também as ambivalências e (des)encontros entrelaçam-se nesta experiência.

Conclusão: O encontro com os achados e o seu sentido para os enfermeiros permitirá abrir o horizonte da sua compreensão da experiência vivida destas mulheres e seguramente terá impacto no seu modo de ser-presente no quotidiano de cuidados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brazelton, T. B., & Sparrow, J. D. (2006). A criança dos 3 aos 6 anos: O desenvolvimento emocional e do comportamento (3ª ed.). Presença.

Chick, N., & Meleis, A. (1986). Transitions: A nursing concern. In P. L. Chin (Ed.), Nursing research methodology: Issues and implementation. Aspen Publishers.

Guarda-Rodrigues, J., & Rebelo-Botelho, M. (2021). The being who being-in-the-world … becomes mother of a second child. Rev Esc Enferm USP, 55:e20210055, 1–6. https://doi.org/10.1590/1980-220X-REEUSP-2020-0055

Heidegger, M. (2005). Ser e tempo (15ª ed.). Vozes.

Instituto Nacional de Estatística. (2020). Portal do Instituto Nacional de Estatística. https://ine.pt/xportal/xmain?xpgid=ine_main&xpid=INE

Instituto Nacional de Estatística, & Fundação Francisco Manuel dos Santos. (2014). Inquérito à fecundidade 2013. https://www.ffms.pt/publicacoes/detalhe/1490/inquerito-a-fecundidade-2013

Kojima, Y., Irisawa, M., & Wakita, M. (2005). The impact of a second infant on interactions of mothers and firstborn children. Journal of Reproductive & Infant Psychology, 23(1), 103-114. https://doi.org/10.1080/02646830512331330910

Krieg, D. (2007). Does motherhood get easier the second-time around?: Examining parenting stress and marital quality among mothers having their first or second child. Parenting: Science & Practice, 7(2), 149-175. https://psycnet.apa.org/doi/10.1080/15295190701306912

Lewis, C. S. (2017). Os quatro amores.Thomas Nelson Brasil.

Mercer, R. T. (2004). Becoming a mother versus maternal role attainment. Journal of Nursing Scholarship, 36(3), 226-232. https://doi.org/10.1111/j.1547-5069.2004.04042.x

O’Reilly, M. M. (2004). Achieving a new balance: Women’s transition to second-time parenthood. JOGNN: Journal of Obstetric, Gynecologic & Neonatal Nursing, 33(4), 455-462. https://doi.org/10.1177/0884217504266911

Pereira, C. (2011). Rivalidade fraterna na perspectiva dos progenitores: Da gestação ao segundo ano de vida do segundo filho [Tese de doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Lume: Digital Repository. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/31917

Piccinini, C., Pereira, C., Marin, A., Lopes, R., & Tudge, J. (2007). O nascimento do segundo filho e as relações familiares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(3), 253-261. https://doi.org/10.1590/S0102-37722007000300003

Rodrigues, J., & Rebelo-Botelho, M. A. (2020). Transição para o segundo filho: Da saúde às políticas públicas. Ciências e Políticas Públicas, 6(1), 139-157. https://capp.iscsp.ulisboa.pt/images/CPP/V6N1/Final/4-PT_V6_N1_online.pdf

Rodrigues, J. R., & Velez, M. A. (2018). Tornar-se mãe de um segundo filho: Uma revisão scoping. Pensar Enfermagem, 22(1), 5-17. https://web.s.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?-vid=1&sid=96d18f1b-d128-4f3d-aea1-f55604d84e27%40redis

van Manen, M. (1997). Researching lived experience: Human science for an action sensitive pedagogy (2nd ed.). The Althouse Press.

van Manen, M. (2014). Phenomenology of practice: Meaning-giving methods in phenomenological research and writing. Left Coast Press.

Vivian, A. (2010). Tornar-se mãe de um segundo filho: Da gestação ao segundo ano de vida [Tese de doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Lume: Digital Repository. https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/26812

Walz, B. L., & Rich. O. J. (1983). Maternal tasks of taking-on a second child in the postpartum period. Maternal-Child Nursing Journal, 12(3), 185-216. http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=-true&db=mnh&AN=6556428&site=ehost-live

Watson, J. (2012). Human caring science: A theory of nursing (2nd ed.). Jones and Bartlett Learning.

Publicado

2022-01-05

Como Citar

Rodrigues, J. R. G. da V., & Velez, M. A. M. R. B. A. (2022). Tornar-se mãe de um segundo filho: O momento do nascimento. Revista De Enfermagem Referência, 5, 1–8. https://doi.org/10.12707/RV21002

Edição

Secção

Artigos de Investigação