Abordagens preferenciais ao ensino

um estudo com professores do curso de enfermagem

Autores

  • Júlia Santos Doutoranda em Enfermagem no Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa
  • Amélia Simões Figueiredo Professora Auxiliar do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa. Centro de Investigação Interdisciplinar em Saúde

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir021-2.24490

Palavras-chave:

abordagens ao ensino, estudante, professor, enfermagem

Resumo

A adoção de abordagens ao ensino focadas no estudante promove o envolvimento, pensamento crítico e reflexivo dos estudantes do ensino superior.

Objetivos: Conhecer o perfil sociodemográfico e profissional dos professores de Enfermagem; identificar as Abordagens Preferenciais ao Ensino no âmbito das Unidades Curriculares Enfermagem, nos quatro anos de formação; identificar diferenças nas respostas ao Inventário sobre Abordagens ao Ensino em função da caracterização sociodemográfica e profissional docentes.

Metodologia: Utilizou-se o Inventário sobre Abordagens ao Ensino, versão portuguesa, e o Questionário de caracterização sociodemográfica e profissional.

Resultados: Verifica-se uma predominância do género feminino e idade entre 51 e 60 anos. A maioria dos professores possui como abordagem preferencial ao ensino a que visa alcançar Mudança Conceptual Focada no Estudante, destacando-se os de idade inferior a 50 anos. Paralelamente, os professores que lecionam aulas Teórico-práticas são os que menos se aproximam das abordagens ao ensino do tipo Transmissão de Informação Focadas no Professor, relativamente àqueles que não as lecionam

Referências

Chaleta, M. E. (2011). Tutoria de Acompanhamento (Docentes). Évora: GPSA.

Fernandes, D. et al. (2012). Uma Avaliação dos Processos de Aprendizagem, Ensino e Avaliação Numa Escola Superior de Enfermagem. Lisboa: Universidade de Lisboa.

Festas, M. I. (2015). A aprendizagem contextualizada: análise. Educ. Pesqui., 41, São Paulo, pp. 713-728. Acedido a 13 março 2018 em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-9702201507128518.

Biggs, J. (2005). Calidad del aprendizaje universitario. Madrid: Narcea.

Chaleta, E. & Grácio, L. (2016). Concepções e abordagens: duas dimensões do aprender no Ensino Superior, pp. 223-250. In: Sobrinho, M.; Ennafaa, R. & Chaleta, E. La educación superior, el estudiantado y la cultura universitaria. Valencia: Editorial Neopatria, C.B, pp. 223-250.

Entwistle, N. (2009). Teaching for Understanding at University. Deep Approaches and distinctive Ways of Thinking. United Kingdon: Palgrave and Macmillan.

Entwistle, N. (2000). Approaches to studying and levels of understanding: the influences of teaching and assessment. In: J. Smart (Ed). Higher Education: Handbook of Theory and Research. Edinburgh: Scottish Academic Press, XV, pp.156-218.

Kember, D. & Kwan, K. (2000). Lecturers’ approaches to teaching and their relationship to conceptions of good teaching. Instructional Science, 28, pp. 469-490. DOI: https://doi.org/10.1023/A:1026569608656. Acedido em 26 fevereiro 2018.

Trigwell, K. & Prosser, M. (1996). Congruence between intention and strategy in university science teachers’ approaches to teaching. Higher Education, 32(1), pp. 77-87.

Prosser, M., Trigwell, K., & Taylor, P. (1994). A Phenomenographic study of academics’ conception of science learning and teaching. Learning and Instruction, 4, pp. 217-231.

Trigwell, K; Prosser, M. & Ginns, P. (2005). Phenomenographic Pedagogy and a revised Approach to Teaching Inventory. Higher Education Research and Development, 24(4), pp. 349-360.

Franco, M. A. (2015). Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educ. Pesqui., 41(3), São Paulo, pp. 601-614. Acedido a 13 março 2018 em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-9702201507140384.

Morais, A. M. (2013). O processo de Bolonha e a avaliação das aprendizagens: um estudo de práticas em mudança. Tese de Doutoramento. Braga: Universidade do Minho.

Borralho, A. et al. (2013). Caracterização do Ensino, da Avaliação e Aprendizagens numa Universidade Portuguesa: Um estudo na Área Científica da Saúde. In: Membiela, P.; Casado, N. & Cebreiros, M. I. (Eds.). Investigaciones en el contexto universitario actual. Ourense: Educación Editora, pp. 299-303. Acedido a 26 fevereiro 2018 em: http://hdl.handle.net/10174/17725 .

Lopes, B. S. (2013). Abordagens ao Ensino e Práticas de Questionamento no Ensino Superior. Tese de Doutoramento. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Chaves, M. (2017). Perceção da autoeficácia individual e coletiva dos docentes: contributo para a compreensão das boas práticas pedagógicas no ensino da enfermagem. Tese de Doutoramento. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Figueiredo, A. S. (2014). Missionários, Conservadores e Visionários: Modos de ser Professor. Lisboa: Universidade Católica Editora.

Gonçalves, C. A. (2012). Conhecimento profissional e profissionalidade docente em enfermagem. O contributo do pensamento docente. Tese de Doutoramento. Lisboa: Universidade de Lisboa.

Huberman, M. (2000). O ciclo de vida profissional dos professores. In: Nóvoa, A. (Org.). Vidas de professores (2ª ed.). Porto: Porto Editora, pp.31-61.

Blackburn, G. (2015). Innovative eLearning: Technology Shaping Contemporary Problem Based Learning: A Cross-Case Analysis. Journal of University Teaching & Learning Practice, 12(2), pp. 1-17.

Torres, M. F. (2012). Modos de trabalho pedagógico e de Avaliação da aprendizagem no ensino superior - um estudo na Universidade do Porto. Tese de Doutoramento. Porto: Universidade do Porto.

Marbach-Ad, G. et al. (2014). Science Teaching Beliefs and Reported Approaches Within a Research University: Perspectives from Faculty, Graduate Students, and Undergraduates. International Journal of Teaching and Learning in Higher Education, 26(2), pp. 232–250.

Downloads

Publicado

2019-12-31

Edição

Secção

Artigos