A incerteza na pessoa em situação crítica

contributos para um cuidar holístico e humanizado

Autores

  • Joana Silva Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, E.P.E
  • Patrícia Pontífice Sousa Instituto de Ciências da Saúde da Universidade

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir021-2.24494

Palavras-chave:

incerteza, emoções, cuidados críticos

Resumo

Introdução: A proximidade com a ameaça à vida despoleta na pessoa sentimentos de incerteza, sendo esta o stressor psicológico com maior influência em situação crítica.

Objetivos: Conhecer o impacto da incerteza vivenciada pela pessoa em situação crítica e, inerentemente, de que forma direcionar o cuidado de enfermagem no âmbito.

Método: Revisão integrativa da literatura.

Resultados: Sentimentos de caráter pejorativo e ambivalente são associados à incerteza. Estar longe de pessoas significativas, incapacidade para influenciar o próprio cuidado, entre outros, fomentam-na. A sua apreciação traduz-se num novo propósito de vida. Mecanismos de coping ajudam no processo adaptativo.

Conclusão: Conhecer o impacto da incerteza na pessoa em situação crítica alude a direcionar o cuidado de enfermagem no sentido de maximizar a adaptação, nomeadamente otimizando os fornecedores de estrutura e quadro de estímulos da pessoa, envolvendo-a no seu cuidado, e promovendo estratégias de coping.

Referências

Ordem dos Enfermeiros. (20 de outubro de 2010). Regulamento das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem em Pessoa em Situação Crítica. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.

Hansen, B. S., Rortveit, K., Leiknes, I., Morken, I., Testad, I., Joa, I., & Severinsson, E. (2012). Patient experiences of uncertainty - a synthesis to guide nursing practice and research. Journal of Nursing Management, pp. 266-277.

Tomey, A. M., & Alligood, M. R. (2004). Teóricas de Enfermagem e a Sua Obra (Modelos e Teorias de Enfermagem) (5ª ed.). (A. R. Albuquerque, Trad.) Loures: Lusociência.

Miller, C.-A. (2015). Pseudoprogression: Patient experience and nursing in uncertainty. Canadian Journal of Neuroscience Nursing, 37(2).

Ordem dos Enfermeiros. (2011). CIPE Versaõ 2 - Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem. Lisboa.

Sheilds, L., Molzahn, A., Bruce, A., Makaroff, K. S., Stajduhar, K., Beuthin, R., & Shermak, S. (2015). Contrasting stories of life-threatening illness: A narrative inquiry. International Journal of Nursing Studies, 52, pp. 207-215.

Mendes, K. D., Silveira, R. C., & Galvão, C. M. (Outubro/Dezembro de 2008). Revisão Integrativa: Método de Pesquisa para a Incorporação de Evidências na Saúde e na Enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, pp. 758-764.

Johnston, L. B. (2011). Surviving Critical Illness: A Case Study in Ambiguity. Journal of Social Work in End-of-Life & Palliative Care, 7, pp. 363-382.

Palesjo, C., Nordgren, L., & Asp, M. (Julho de 2015). Being in critical illness-recovery process: a phenomenological hermeneutical study. Journal of Clinical Nursing, 24, pp. 3494-3502.

Sousa, P. P. (2014). O conforto da pessoa idosa: projeto de vivência e cuidado co-criado. Lisboa: Universidade Católica Editora.

Abrão, F. M., Santos, E. F., Araújo, R. A., Oliveira, R. C., & Costa, A. M. (Março de 2014). Feelings of Patients while Staying in Intensive Care Unit. Journal of Nursing, 8, pp. 523-529.

Baumgarten, M., & Poulsen, I. (2015). Patients´ experiences of being mechanically ventilated in an ICU: a qualitative metasynthesis. Nordic College of Caring Science, 29, pp. 205-214.

Stayt, L. C., Seers, K., & Tutton, E. (2015). Patients´experiences of technology and care in adult intensive care. Journal of Advanced Nursing, 71, pp. 2051-2061.

Khalaila, R., Zbidat, W., Anwar, K., Bayya, A., Linton, D. M., & Sviri, S. (Novembro de 2011). Communication Difficulties and Psychoemotional Distress in Patients Receiving Mechanical Ventilation. American Journal of Critical Care, 20(6), pp. 470-479.

Lasiter, S. (2011). Older adults´ perceptions of feeling safe in an intensive care unit. Journal of Advanced Nursing, 67, pp. 2649-2657.

Aro, I., Pietila, A.-M., & Vehvilainen-Julkunen, K. (2012). Needs of adult patients in intensive care units of Estonian hospitals: a questionnaire survey. Journal of Clinical Nursing, 21, pp. 1847-1858.

Wassenaar, A., Schouten, J., & Schoonhoven, L. (2014). Factors promoting intensive care patients´ perception of feeling safe: A systematic review. International Journal of Nursing Studies, 51, pp. 261-273.

Downloads

Publicado

2019-12-31

Edição

Secção

Artigos