O Desenvolvimento do Poder Local em África: O caso dos municípios em Moçambique

José António Oliveira Rocha, Gonçalves Jonas Bernardo Zavale

Resumo


Moçambique, país africano colonizado por Portugal, teve uma administração local dupla, isto é, os africanos eram administrados pelas AT (Autoridades Tradicionais ou Régulos) e os europeus e os africanos com estatuto de assimilado estavam organizados em concelhos. Após a independência (1975), o país escolheu a via socialista de economia de plano e centralizada. Foi abolido o dualismo administrativo do sistema colonial. A Constituição de 1990 faz renascer a distinção entre áreas rurais e urbanas, estas com poder municipal. O resultado não é muito diferente do tempo colonial, tanto mais que as leis portuguesas foram reimportadas. Podemos considerar, pois, a existência de estruturas administrativas prismáticas, de que fala Riggs (1964).

Palavras-chave


democracia local; autonomia; autoridades tradicionais; municípios

Texto Completo:

PDF

Referências


Araújo, S. (2008). Pluralismo jurídico em África: Ficção ou realidade? Revista Crítica de Ciências Sociais, 83, pp. 121-39. doi: 10.4000/rccs.468

Awortwi, N. (2011). An unbreakable path? A comparative study of decentralization and local government development trajectories in Ghana and Uganda. International Review of Administrative Sciences, 77 (2), 347-377.

DOI : 10.1177/0020852311399844

Banco Mundial. (2009). Desenvolvimento municipal em Moçambique: As lições da primeira década. Acedido em 24 de maio, 2013, de http://siteresources.worldbank.org/INTMOZ AMBIQUE/Resources/MunicipalPort.pdf

Constituição da República de Moçambique. (1990). Maputo: Imprensa Nacional de Moçam-bique.

EA (Eleições Autárquicas 2013. Boletim sobre o processo político em Moçambique). (2013, 15 de

maio). EA nº 1. In http://www.cip.org.mz/election2013/ndoc/13_Elei%C3%A7%C3%B5 es_Aut%C3%A1rquicas_1-15deMaio.pdf

Faria, F., & Chichava, A. (1999). Descentralização e cooperação descentralizada em Moçambique. Documento de reflexão ECDPM 12. Maastricht: European Centre for Development Policy Management (ECDPM).

Fernandes, M. (2007). Descentralizar é fragmentar? Riscos do pluralismo administrativo para a unidade do Estado em Moçambique. Revista Crítica de Ciências Sociais, 77, pp. 151-164. doi: 10.4000/rccs.795

Forquilha, S. (2008). O paradoxo da articulação dos órgãos locais do Estado com as autoridades comunitárias em Moçambique: Do discurso sobre a descentralização à conquista dos espaços políticos a nível local. Cadernos de Estudos Africanos, 16-17, pp. 89-114.

DOI : 10.4000/cea.187

Ghiglione, R., & Matalon, B. (1993). O inquérito: Teoria e prática (2ª ed.). Oeiras: Celta.

Hanlon, J. (1997). Guião básico sobre as autarquias locais. Maputo: Ministério da Administração Estatal e AWEPA (Associação de Parlamentares Europeus para África).

Jreisat, J. (2010). Comparative public administration and Africa. International Review of Administrative Sciences, 76 (4), 612-31.

DOI : 10.1177/0020852310381205

Lei n.º 7/78, “Cria os conselhos executivos das assembleias municipais e conselhos executivos das assembleias das cidades”. de 22 de abril. Boletim da República, I Série, n.º 48, 22 de abril de 1978. Maputo: Imprensa Nacional de Moçambique.

Lei n.º 5/92, ”Cria a lei orgânica do tribunal administrativo”. Boletim da República, I Série, n.º 19, 2.° Suplemento, 6 de maio de 1992. Maputo: Imprensa Nacional de Moçambique.

Lei n.º 3/94, “Cria os distritos municipais”. Boletim da República, I Série, n.º 37, 2.° Suplemento, 13 de setembro de 1994. Maputo: Imprensa Nacional de Moçambique.

Lei n.º 2/1997, “Aprova o quadro jurídico para implementação das autarquias locais”. Boletim da República, I Série, n.º 7, 2.° Suplemento, 18 de fevereiro de 1997. Maputo: Imprensa Nacional de Moçambique.

Lei n.º 8/2003, “Estabelece princípios e normas de organização, competências e funcionamento dos órgãos locais do Estado nos escalões de província, distrito, posto administrativo e de localidade”. Boletim da República, I Série, n.º 20, 1º Suplemento, 19 de maio de 2003. Maputo: Imprensa Nacional de Moçambique.

Lei 11/2005, “Aprova o regulamento da lei dos órgãos locais do Estado”. Boletim da República, I Série, n.º 23, Suplemento, 10 de junho de 2005. Maputo: Imprensa Nacional de Moçambique.

Lei n.º 6/2007, “Altera o regime jurídico da tutela administrativa sobre as autarquias locais estabelecido na lei n.º 7197, de 31 de Maio”. Boletim da República, I Série, n.º 6, Suplemento, 9 de fevereiro de 2007. Maputo: Imprensa Nacional de Moçambique.

Lei n.º 1/2008, ”Cria sistema da administração financeira do Estado”. Boletim da República, I Série, n.º 3, Suplemento, 16 de janeiro de 2008. Maputo: Imprensa Nacional de Moçambique.

Lourenço, V. A. (2007). Entre Estado e autoridades tradicionais em Moçambique: Velhos apoios ou novas possibilidades políticas. Res-Publica. Revista Lusófona de Ciências Políticas e Relações Internacionais, 5 (6), 195-207.

Meneses, M. P. G. (2009). Poderes, direitos e cidadania: O ‘retorno’ das autoridades tradicionais em Moçambique. Revista Crítica de Ciências Sociais, 87, pp. 9-42.

DOI : 10.4000/rccs.1428

Mutaquinha, J. (1998). Introdução. In Lundin, I. B., & Machava, F. J., Autoridade e poder tradicional (v. II). Maputo: Ministério da Administração Estatal – Núcleo de Desenvolvimento Administrativo.

Newitt, M. (1997). História de Moçambique. Mem Martins: Europa-América.

Orre, A. (2008). Fantoches e cavalos de Tróia? Instrumentalização das autoridades tradicionais em Angola e Moçambique. Cadernos de Estudos Africanos, 16-17, pp. 139-178. doi: 10.4000/cea.190

Otayek, R. (2007). A descentralização como modo de redefinição do poder autoritário? Algumas reflexões a partir de realidades africanas. Revista Crítica de Ciências Sociais, 77, pp. 131-50.

DOI : 10.4000/rccs.793

Papagno, G. (1980). Colonialismo e feudalismo: A questão dos Prazos da Coroa em Moçambique no fim do século XIX. Lisboa: A Regra do Jogo.

Riggs, F. W. (1964). Administration in developing countries: The theory of prismatic society. Boston, MA: Houghton Mifflin.

Rodrigues, E. (1998). Municípios e poder senhorial nos Rios de Sena na segunda metade do século XVIII. In Vieira, A. (Org.), O município no mundo português (pp. 587-608). Funchal: Centro de Estudos de História do Atlântico (CEHA).

Santos, B. S. (2003). O Estado heterogéneo e o pluralismo jurídico. In Santos, B. S., & Trindade, J. C. (Org.), Conflito e transformação social: Uma paisagem das justiças em Moçambique (v. 1, pp. 47-96). Porto: Afrontamento.

Teixeira, C. (1990). A fundação de Inhambane e a sua estrutura administrativa e governamental nos meados do século XVIII. Arquivo. Boletim do Arquivo Histórico de Moçambique, 8, pp. 5-54.

Touré, I. (2012). Autonomy and local democracy in Africa: An illustration using the case of Senegal. International Review of Administrative Sciences, 78 (4), 757-74.

DOI : 10.1177/0020852312455600

Trindade, C. (2003). Rupturas e continuidades nos processos políticos e jurídicos. In Santos, B. S., & Trindade, J. C. (Org.), Conflito e transformação social: Uma paisagem das justiças em Moçambique (v. 1, pp. 97-128). Porto: Afrontamento.

UEM (Universidade Eduardo Mondlane). (1988). História de Moçambique. Maputo: Imprensa da UEM.

Xavier, A. C. (1888). A Zambézia. Nova Goa: Imprensa Nacional.

Zavale, G. J. B. (2011). Municipalismo e poder local em Moçambique. Maputo: Escolar.


Apontadores

  • Não há apontadores.