Abuso Físico na Criança: a Cintigrafia Óssea no Diagnóstico de Lesões Não Acidentais

  • Ana Fernandes Centro Hospitalar São João http://orcid.org/0000-0002-5489-8050
  • Teresa Faria
  • Ana Oliveira
  • Pedro Barata Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa
  • Jorge Pereira Centro Hospitalar São João

Resumo

Introdução: O abuso físico em crianças é um problema complexo que deve ser identificado e resolvido o mais rapidamente possível, numa abordagem multidisciplinar. As fraturas são um indicador muito forte de abuso, apesar de, maioritariamente, não causarem risco de vida. Assim, a imagiologia é crucial, uma vez que as fracturas são frequentemente ocultas, com sinais e sintomas difíceis de interpretar, e as crianças nem sempre têm capacidade de fornecer a história. A Cintigrafia óssea na suspeita de abuso físico em crianças surge em publicações desde os anos 80.
Objectivo: Rever o papel da Cintigrafia óssea no abuso infantil.
Discussão: A Cintigrafia óssea está incluída nas guidelines de abordagem de crianças vítimas de abuso em alguns países. No nosso país, o seu papel e a sua utilidade estão pouco divulgados.
Estudos comparativos entre a Radiografia e a Cintigrafia óssea demonstraram que a cintigrafia foi o único método capaz de identificar lesões em 4 a 20% dos casos, para além de ajudar a esclarecer lesões equívocas na radiografia.
Conclusão: Na suspeita clínica de abuso infantil, o método de eleição é a Radiografia do esqueleto. Contudo, concluímos que não existe um método ideal único e que a Radiografia e a Cintigrafia óssea apresentam um papel complementar, não competitivo.
Propomos, assim, a realização regular da Cintigrafia óssea, quando a Radiografia não identifica qualquer lesão óssea, quando apresenta achados equívocos ou nos casos em que a determinação exata do número e da localização das lesões possa ter impacto legal.

Referências

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R. Child abuse and neglect by parents and other caregivers. In: World Report on Violence and Health. ; 2002:57.

Bainbridge JK, Huey BM, Harrison SK. Should bone scintigraphy be used as a routine adjunct to skeletal survey in the imaging of non-accidental injury? A 10 year review of reports in a single centre. Clin Radiol. 2015;70(8):e83-e89. doi:10.1016/j.crad.2015.04.012

U.S. Department of justice. Diagnostic Imaging of Child Abuse. 2000.

Mandelstam SA, Cook D, Fitzgerald M, Ditchfield MR. Complementary use of radiological skeletal survey and bone scintigraphy in detection of bony injuries in suspected child abuse. 2003;16:387-390.

Rijn RR Van, Sieswerda-Hoogendoorn T. Educational paper: Imaging child abuse: The bare bones. Eur J Pediatr. 2012;171:215-224. doi:10.1007/s00431-011-1499-1

Conway J, Collins M, Tanz R, et al. The role of bone scintigraphy in Detecting Child Abuse.pdf. Semin Nucl Med. 1993;XXIII(4):321-333.

Kemp AM, Butler A, Morris S, et al. Which radiological investigations should be performed to identify fractures in suspected child abuse? Clin Radiol. 2006;61(9):723-736. doi:10.1016/j.crad.2006.03.017

American College of Radiology Suspected Physical Abuse – Child. 2016:1-15.

Offiah A, Van Rijn RR, Perez-Rossello JM, Kleinman PK. Skeletal imaging of child abuse (non-accidental injury). Pediatr Radiol. 2009;39(5):461-470. doi:10.1007/s00247-009-1157-1

The Royal College of Radiologists and Royal College of Paediatrics and Child Health. Standards for Radiological Investigations of Suspected Non-Accidental Injury.; 2008.

Di Pietro MA, Brody AS, Cassady CI, et al. Diagnostic Imaging of Child Abuse. Pediatrics. 2009;123(5):1430-1435. doi:10.1542/peds.2009-0558

Barcenilla AJC, Sainz de la Maza VT, Fernandéz JP. Utilidad de la gammagrafía ósea en el diagnóstico diferencial del maltrato infantil. An Pediatr. 2006;65(1):83-90.

Peller PJ, Ho VB, Kransdorf MJ. Extraosseous Tc-99m MDP Uptake : A Pathophysiologic Approach. Radiographics. 1993;13:715-734.

Howard JL, Barron B, Smith GG. Bone Scintigraphy in the Evaluation of Extraskeletal Injuries from Child Abuse1. Radiographics. 1990;10:67-81.

Van den Wyngaert T, Strobel K, Kampen WU, et al. The EANM practice guidelines for bone scintigraphy. Eur J Nucl Med Mol Imaging. 2016;43(9):1723-1738.

Kellogg ND. Evaluation of Suspected Child Physical Abuse. Pediatrics. 2007;119(6):1232-1241. doi:10.1542/peds.2007-0883

Sty JR, Starshak RJ. The Role of Bone Scintigraphy in the. Radiology. 1983;146:369-375.

PK J. Comparison of radiography and radionuclide bone scanning in the detection of child abuse. Pediatrics. 1984;73:166-168.

Segall G, Delbeke D, Stabin MG, et al. SNM Practice Guideline for Sodium 18F-Fluoride PET/CT Bone Scans 1.0. J Nucl Med. 2010;51(11):1813-1820. doi:10.2967/jnumed.110.082263

Drubach LA, Johnston PR, Newton AW, Perez-Rossello JM, Grant FD, Kleinman PK. Skeletal trauma in child abuse: detection with 18F-NaF PET. Radiology. 2010;255(1):173-181. doi:10.1148/radiol.09091368

Publicado
2019-05-03
Secção
Cartas ao Editor