Gastrite Erosiva Grave Induzida por AINES: Tratamento Endovascular Minimamente Invasivo

Autores

  • Ana Paula Borges Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra https://orcid.org/0000-0003-1846-0251
  • Célia Antunes Serviço de Imagem Médica, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. https://orcid.org/0000-0002-3474-1961
  • Paulo Donato Serviço de Imagem Médica, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.25748/arp.24568

Resumo

Os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) são dos fármacos mais usados a nível mundial e podem provocar efeitos adversos gastrointestinais potencialmente graves, mesmo quando usados a curto prazo. São atualmente a principal causa de doença ulcerosa péptica, que é responsável pela maioria das hemorragias digestivas altas. Após medidas gerais de suporte e estabilização hemodinâmica, a endoscopia digestiva alta é o método de eleição para confirmar o diagnóstico e tratar a hemorragia. Como segunda linha recorre-se frequentemente a embolização endovascular. O presente trabalho retrata um caso de gastrite erosiva hemorrágica aguda em jovem após toma de AINEs em doses excessivas, manifestada por quadro de hematémeses e choque hemorrágico, submetida a embolização arterial endovascular terapêutica com resultado favorável.

Palavras-chave: Hemorragia gastrointestinal, AINEs, Embolização terapêutica

Publicado

2022-04-29