Formação Pré e Recém-Graduada em Medicina Intensiva

  • Nuno Almeida Cordeiro Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, E.P.E.
  • António Martins
Palavras-chave: Competência Clínica; Cuidados Intensivos; Educação de Graduação em Medicina; Educação de Pós-Graduação em Medicina; Unidades de Cuidados Intensivos

Resumo

Reconhecida nos Estados Unidos da América como especialidade médica autónoma nos anos 80, a Medicina Intensiva tem, desde então, assumido um papel cada vez mais relevante a nível dos cuidados médicos hospitalares. Contudo, esta diferenciação não foi acompanhada pela transposição dos seus conhecimentos para a fase pré-graduada da formação médica, resultando em deficiência de competências em cuidados ao doente crítico e em emergência entre os estudantes de Medicina e os jovens médicos.

Neste estudo, pretendemos rever, de forma não sistemática, a literatura publicada nos últimos anos relativa à educação médica pré e recém-graduada em Medicina Intensiva.

A revisão foi efectuada nas bases de dados das plataformas PubMed, Science Direct e Google Scholar, com incidência em bibliografia publicada nos últimos 18 anos.

A carência de competências teóricas e técnicas básicas em Medicina Intensiva existente a nível dos estudantes de Medicina e dos jovens médicos resulta da conjugação de factores históricos e organizacionais inerentes a esta área do conhecimento médico. O desenvolvimento da educação em cuidados ao doente crítico deve ser iniciado cedo e mantido até ao final do curso nas escolas médicas, devendo a Medicina Intensiva competir pelo seu espaço dentro dos currículos pré-graduados actuais sendo, para tal, necessário estudar a situação corrente nas escolas médicas portuguesas e definir um currículo-padrão de competências nacional.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

1. Napolitano LM, Rajajee V, Gunnerson KJ, Maile MD, Quasney M, Hyzy RC. Physician Training in Critical Care in the United States: Update 2018. J Trauma Acute Care Surg. 2018;84:963-71. doi: 10.1097/TA.0000000000001851.

2. Portaria n.º 103/2016 de 22 de Abril. Diário da República n.º 79/2016, Série I.
Ministério da Saúde. Lisboa.

3. Almeida AD, Albuquerque LC, Bitencourt AG, Rolim CE, Godinho TM, Liberato MV, et al. Medicina intensiva na graduação médica: perspectiva do estudante. Rev Bras Ter Intensiva. 2007;19:456–62.

4. Smith CM, Perkins GD, Bullock I, Bion JF. Undergraduate training in the care of the acutely ill patient: A literature review. Intensive Care Med. 2007;33:901–7. doi: 10.1007/s00134-007-0564-8.

5. Moraes APP, Araújo GF, Castro CA. Terapia Intensiva na Graduação Médica: Os Porquês. Rev Bras Ter Intensiva. 2004;16:45–8.

6. Qutub HO. Where is critical care medicine in today’s undergraduate medical curriculum? Saudi Med J. 2000;966:327–9.

7. Frankel HL, Rogers PL, Gandhi RR, Freid EB, Kirton OC, Murray MJ. What is taught, what is tested: Findings and competency-based recommendations of the Undergraduate Medical Education Committee of the Society of Critical Care Medicine. Crit Care Med. 2004;32:1949–56.

8. Nascimento DT, Dias MA, Mota RDS, Barberino L, Durães L, Santos PA. Avaliação dos estágios extracurriculares de medicina em unidade de terapia intensiva adulto. Rev Bras Ter Intensiva. 2008;20:355–61.

9. Croley WC, Rothenberg DM. Education of trainees in the intensive care unit. Crit Care Med. 2007;35:117–21. doi: 10.1097/01.CCM.0000252917.25301.18

10. Neves FB, Vieira PS, Cravo EA, Dias M, Bitencourt A, Guimarães HP, et al. Inquérito nacional sobre as ligas acadêmicas de Medicina Intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2008;20:43–8.

11. Fessler HE. Undergraduate medical education in critical care. Crit Care Med. 2012;40:3065–9. doi: 10.1097/CCM.0b013e31826ab360.

12. O’Connor E, Martin-Loeches I. A blueprint for improving undergraduate education in intensive care medicine. Crit Care; 2016;20:4–5. doi: 10.1186/ s13054-016-1383-5.

13. Luckianow GM, Piper GL, Kaplan LJ. Bridging the gap between training and advanced practice provider critical care competency. JAAPA.. 2015;28:1-5. doi: 10.1097/01.JAA.0000464711.42477.79.

14. O’Connor E, Moore M, Cullen W, Cantillon P. A qualitative study of undergraduate clerkships in the intensive care unit: It’s a brand new world. Perspect Med Educ. 2017;6:173–81. doi: 10.1007/s40037-017-0349-x.

15. Heffner JE, Ellis R, Zeno B. Safety in training and learning in the intensive care unit. Crit Care Clin. 2005;21:129–48. doi: 10.1016/j.ccc.2004.07.002.

16. CoBaTrICE Collaboration. The educational environment for training in intensive care medicine: Structures, processes, outcomes and challenges in the European region. Intensive Care Med. 2009;35:1575–83. doi: 10.1007/
s00134-009-1514-4.

17. Perkins GD, Barrett H, Bullock I, Gabbott DA, Nolan JP, Mitchell S, et al. The Acute Care Undergraduate TEaching (ACUTE) Initiative: Consensus development of core competencies in acute care for undergraduates in the United Kingdom. Intensive Care Med. 2005;31:1627–33. doi: 10.1007/s00134-005-2837-4.
Publicado
2019-04-03
Como Citar
Cordeiro, N., & Martins, A. (2019). Formação Pré e Recém-Graduada em Medicina Intensiva. Revista Da Sociedade Portuguesa De Anestesiologia, 28(1), 57 -60. https://doi.org/10.25751/rspa.16615