Green spaces on the north side of Avenida dos Estados Unidos da América

Conceptual features in the definition of an Alvalade Neighbourhood Green Corridor (1940-1960)

Keywords: Alvalade Neighbourhood, Projectual Dialectics, Urban Space, Green Structure, Children's Playgrounds

Abstract

Supported in the investigation of the genesis and characteristics of Bairro de Alvalade’s (Alvalade Neighbourhood) Green Structure and with an emphasis on the municipal archives of Lisbon documentation, the article observes, in the context of planning and designing, the conceptual features that, in the definition of the Avenida dos Estados Unidos da América’s (United States Avenue) urban space, led to the implementation of a Green Corridor in the Alvalade’s Neighbourhood and the City. Based on the avenue's framework in the Plano de Urbanização da Zona a Sul da Avenida Alferes Malheiro (Urbanization Plan of the South Area of the Avenida Alferes Malheiro), approved in 1945, and the Plano Geral de Urbanização e Expansão de Lisboa (General Urbanization and Expansion Plan of Lisbon), elaborated by Étienne De Gröer (1882-1974) in between 1938 and 1948, the article revisits the growth of city and proposals for implementation along the avenue (1951, 1956 and 1959). In parallel, it lists the projects of the Neighbourhood housing complexes influenced by the publication in Portugal of the Letter of Athens (1948) and the emergence of the Movimento Moderno (Modern Movement), which, as a whole, led to the opening of the patio for public use and the redefinition of the avenue's urban space. Secondly, the article discusses the design of the avenue's urban space in the late 1950s following the teaching of landscape architecture in Portugal from 1942 by Francisco Caldeira Cabral (1908-1992) and its practice in the Lisbon City Council for the first generation of technicians with this specific training since 1950, whose ecological, artistic and open to interdisciplinary dialectics matrix allowed to explore the interstitial spaces of the neighbourhood and to implant a green corridor according to the concept of «continuum naturale».

References

Alcântara, Ana (2013). Uma Geografia da Lisboa Operária em 1890 (Comunicação apresentada no I Congresso de História do Movimento Operário e dos Movimentos Sociais em Portugal, Lisboa, Março 2013).

APHA - Associação Portuguesa dos Historiadores de Arte (2019) | Carta de Atenas (1933), disponível em www.apha.pt/wp-content/uploads/boletim1/CartadeAtenas1933.pdf, acedido em 10 de Março de 2019.

Bento D’ Almeida (2013). Bairro(s) do Restelo. Panorama Urbanístico e Arquitectónico (Tese de Doutoramento em História da Arte Contemporânea sob a orientação da Professora Doutora Margarida Accialiaiuoli e Professor Doutor Michel Toussaint Alves Pereira). Volume 1. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Universidade Nova de Lisboa.

Bettencourt da Câmara, M. T. P. M. C. M. (2015) Contributos da Arquitectura Paisagista para o Espaço Público de Lisboa (1940-1970). Tese de Doutoramento em Arquitectura Paisagista e Ecologia Urbana (Orientado por Professora Auxiliar Teresa Dulce Portela Marques). Departamento de Geociências, Ambiente e Ordenamento do Território. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 2015.

BRITO, Vasco; Camarinhas; Catarina (2007). Elementos para o Estudo do Plano de Urbanização da Cidade de Lisboa (1938), 2007.

Cabral, Francisco Caldeira & Ribeiro Telles, Gonçalo (1960) A Árvore em Portugal. Ministério das Obras Públicas. Direccção-Geral dos Serviços de Urbanização. Centro de Estudos de Urbanismo, em colaboração com o Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista do Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, 1960.

Cabral, Francisco Caldeira (1993) Fundamentos da Arquitectura Paisagista. Instituto da Conservação da Natureza. Lisboa, 1993. ISBN: 972-8083-12-2.

Câmara Municipal de Lisboa (1945). Plano de Urbanização da Zona a Sul da Avenida Alferes Malheiro. Vol. I. I – Memória Descritiva. D.S.U.O. Lisboa, 1945.

Câmara Municipal de Lisboa (1948a). Plano Geral de Urbanização e Expansão de Lisboa (PGUEL). 1ª Parte – Análise do Estado Actual. Ponto B – Espaços Livres, Lisboa, 1948.

Câmara Municipal de Lisboa (1948b). Plano Geral de Urbanização e Expansão de Lisboa (PGUEL). 1ª Parte, II – Princípios Fundamentais, B – Zonamento, p.7-13, Lisboa, 1948.

Câmara Municipal de Lisboa (1949) Relatório “A Arborização do Sítio de Alvalade”. Direção Serviços de Urbanização e Obras (DSUO).

Câmara Municipal de Lisboa (1956). Blocos de Habitação para a Avenida dos Estados Unidos da América (Troço da Av. do Aeroporto – Av. do Rio de Janeiro). Estudos dos Espaços Públicos (Memória Descritiva). Projeto de Arquitectos Manuel Laginha, Vasconcelos Esteves e Pedro Cid, 1956.

Câmara Municipal de Lisboa (1957). Ajardinados da Avenida dos Estados Unidos da América. Ante Projeto. Memória Descritiva.

Câmara Municipal de Lisboa (1958a) Plano Director de Urbanização de Lisboa. Volume 1 – Lista dos Técnicos.

Câmara Municipal de Lisboa (1958b) Plano Director de Urbanização de Lisboa. Volume 5.3. Ponto 4.1 – Plano De Gröer.

Câmara Municipal de Lisboa (1958c) Plano Director de Urbanização de Lisboa. Volume 5.3. Ponto 4.4 – Zonamento da Cidade.

Câmara Municipal de Lisboa (1958d) Plano Director de Urbanização de Lisboa. Volume 5.3. Ponto 4.5 – Equipamentos Espaços Verdes Especiais.

Câmara Municipal de Lisboa (1959). DST-E. 3ª Repartição. Avenidas dos EUA. Ajardinados, no Troço entre a Av. de Roma e a Avenida dos EUA. Memória Descritiva.

Castel-Branco, Cristina. O Jardim Português e a História da Água nos Jardins. Scribe. 2010. ISBN: 978-989-989-8410-08-5.

Costa, João Pedro (1997). Bairro de Alvalade: Considerações sobre o Urbanismo Habitacional. Vol. II (Tese de Mestrado em Cultura Arquitectónica Contemporânea e Construção da Sociedade Moderma, orientada pelo Prof. José M. Ressano Garcia Lamas). Faculdade de Arquitectura. Universidade Técnica de Lisboa, 1997.

Costa, João Pedro (2002). Bairro de Alvalade. Um Paradigma no Urbanismo Português. Livros Horizonte. Faculdade de Arquitectura, 2002. ISBN: 972-24-1198-5.

Decreto-Lei n.º 379/97, de 27 de Dezembro. Diário da República, 1ª Série N.º 298 – 27-12-1997.

Decreto-Lei n.º 119/2009, de 19 de Maio. Diário da República, 1ª Série N.º 96 – 19-05-2009.

Decreto-Lei n.º 203/2015, de 17 de Setembro. Diário da República, 1ª Série N.º 182 – 17-09-2015.

Fernandes, José Fernandes (1997). As Avenidas de Lisboa in “Lisboa em Obras”. Coleção “Cidade de Lisboa” 30, p21-33.

Lamas, José M. Ressano Garcia (1993). A Urbanística Formal Portuguesa e o Areeirp in “Morfologia Urbana da Cidade”. Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas, p. 281-292. Fundação Calouste Gulbenkian. Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica.

República Portuguesa (1921). Censo da População de Portugal 1920 (6º Recenciamento Geral da População). Resultados Provisórios relativos às Cidades de Lisboa e Porto. Ministério das Finanças. Direcção Geral de Estatística. Lisboa, Imprensa Nacional, 1921.

República Portuguesa (1933). Censo da População de Portugal. Dezembro de 1930 (7º Recenciamento Geral da População). Familias, população de residência habitual e população de facto, distinguindo sexo, nacionalidade, naturalidade, estado civil e instrução. Direcção Geral de Estatística. Lisboa, Imprensa Nacional, 1933.

República Portuguesa (1945). VIII Recenciamento Geral da População do Continente e Ilhas Adjacentes em 12 de Dezembro de 1940. Volume I – Portugal (Continente e Ilhas Adjacentes). 1ª Parte – Quadro 1. Instituto Nacional de Estatística (INE). Imprensa Nacional de Lisboa, 1945.

Rodrigues, Teresa e Ferreira, Olegário A. Vieira (1991). As Cidades de Lisboa e Porto na viragem do Século XIX – Características da sua evolução demográfica: 1864-1930. (Comunicação apresentada no Congresso «O Porto de fim do século (1880-1910)» p297-324. Ateneu Comercial no Porto, 31 de Janeiro a 6 de Fevereiro de 1991).

Rodrigues, Teresa (1995). A População Portuguesa nos Séculos XIX e XX. O acentuar das assimetrias de crescimento regional. Centro de Estudos da População Economia e Sociedade, Revista População e Sociedade, 1995, p57-72.

SILVA, Carlos Nunes (1986). A «Urbanística» do Estado Novo (1926-1959): Nem Nacional Nem Fascista in “Atas do Colóquio sobre o Estado Novo: das origens ao fim da Autarquia: 1926-1959, 1986”, p.379.

Telles, G. R. (Coordenação) (1997) Plano Verde de Lisboa. Componente do Plano Director Municipal de Lisboa. Edições Colibri, Lisboa, Outubro de 1997. ISBN: 972-8288-743.

Tostões, Ana. Alvalade, uma experiência pioneira de habitação colectiva: quando a habitação é capaz de fazer cidade. In “J-A. Jornal arquitectos, n.º 204 Jan-fev. 2002, p.42-47”.

Arquivos consultados

Arquivo Municipal de Lisboa – Núcleo Arco do Cego.

Arquivo do Ministério de Economia.

Sítios consultados

Algarve Informativo / arquiteto Manuel Laginha

https://algarveinformativo.blogs.sapo.pt/loule-relembra-arquiteto-manuel-laginha-156747

Câmara Municipal de Lisboa – Arquivo Municipal

Disponível em linha em:

http://arquivomunicipal2.cm-lisboa.pt/sala/online/ui/searchbasic.aspx?filter=AH;AI;AC;AF

Câmara Municipal de Lisboa | Elementos para o Estudo do Plano de Urbanização da Cidade de Lisboa (1938)

Disponível em linha em:

http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/fotos/editor2/97.pdf

Câmara Municipal de Lisboa | Corredores Verdes

Disponível em linha em:

http://www.cm-lisboa.pt/viver/ambiente/corredores-verdes

Câmara Municipal de Lisboa | Gabinete de Estudos Olissiponenses

Disponível em linha em:

http://geo.cm-lisboa.pt

Câmara Municipal de Lisboa | Lisboa interativa

Disponível em linha em:

http://lxi.cm-lisboa.pt/

Câmara Municipal de Lisboa | Toponímia.

Disponível em linha em:

http://www.cm-lisboa.pt/toponimia/

Fundação Calouste Gulbenkian / Museu / Pedro Cid

https://gulbenkian.pt/museu/colecao-do-fundador/o-edificio/pedro-cid

Ordem dos Arquitetos / João de Barros e Vasconcelos Esteves

http://arquitectos.pt/?no=2020495283,154

RCAAP Repositários Científicos de Acesso Aberto de Portugal

Disponível em linha em:

https://www.rcaap.pt/

Portal do Jardim | Prof. Francisco Caldeira Cabral

Disponível em linha em:

http://proffranciscocaldeiracabral.portaldojardim.com/biografia/a-formacao-de-arquitecto-paisagista-a-escolha-de-berlim/

Published
2020-06-26
Section
Article