Perspectivas Retóricas Presentes no Discurso Político Brasileiro no Contexto da Cooperação Brasil-África

  • Ana Paula Rodrigues Luz Faria Faculdade de Direito de Vitória (FDV) Rua Juiz Alexandre Martins de Castro Filho, 215 Santa Lúcia, Vitória - ES CEP 29056-295, Brasil
  • Marta Zorzal Silva Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras, Vitória - ES CEP 29075-910, Brasil
Palavras-chave: desenvolvimento, cooperação Sul-Sul, discurso político, interesse econômico

Resumo

O presente artigo se propõe a investigar perspectivas retóricas presentes no discurso do Estado brasileiro para a cooperação Sul-Sul, especialmente diante dos crescentes investimentos que vêm sendo efetuados por empresas brasileiras em países africanos, que passam a ser os maiores destinatários da cooperação técnica. O discurso da cooperação técnica desinteressada fundamenta-se na solidariedade internacional e no resgate da dívida histórica com os países africanos, dada a sua importância na formação da etnia brasileira. Coaduna-se, assim, com os princípios constitucionais das Relações Internacionais do Estado brasileiro, os quais dão sustentação a um novo paradigma na construção do Estado Democrático de Direito, como valores supremos da vida social que transcendem os limites territoriais estatais, tratados no artigo 4º da CRFB/1988. A questão que se coloca é o papel da retórica neste discurso desinteressado do Brasil, de modo a possibilitar o desvelar de outros interesses não reconhecidos.

Referências

ABC (Agência Brasileira de Cooperação). (2014). Disponível em: http://www.abc.gov.br/​CooperacaoTecnica/​Vertentes (consultado em 01 de julho de 2014).

Almeida, E. L., & Kraychete, E. S. (Eds.) (2013). O discurso brasileiro para a cooperação em Moçambique: Existe ajuda desinteressada? Astrolabio, 10, pp. 341-374.

Amin, S. (2003). Refundar a solidariedade dos povos do Sul. In T. dos Santos (Coord.), Os impasses da globalização: Hegemonia e contra-hegemonia. Rio de Janeiro & São Paulo: PUC-Rio & Loyola.

Bodomo, A. (2011). La globalización de las inversiones en África. Madrid: Casa África.

Boscaini, B. O. (2013). O Brasil na cooperação sul-sul: A cooperação técnica como instrumento da política externa para a América do Sul. Trabalho de conclusão de Curso de Graduação em Relações Internacionais, Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Brasil.

Carmo, C. A. (2011). BRICS: De estratégia do mercado financeiro à construção de uma estratégia de política internacional. Carta Internacional, 6(2), 3-15. Disponível em: carta internacional.abri.org.br/index.php/Carta/article/download/39/23 (consultado em 23 de junho de 2014).

Cesarino, L. (2012). Cooperação sul-sul: Que potencial analítico para a antropologia? 28ª Reunião Brasileira de Antropologia, São Paulo, Brasil. Disponível em: http://www.academia.edu/​1562363/​Cooperacao_sulsul_que_potencial_analitico_para_a_antro pologia_Brazilian_Anthropology_Meeting_2012 (consultado em 19 de junho de 2014).

CRFB. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico.

CVCE (Centre Virtuel de la Connaissance sur l’Europe). (1955). Final Communiqué of the Asian-African conference of Bandung. Disponível em: http://franke.uchicago.edu/​Final_Communique_Bandung_1955.pdf (consultado em 26 de junho de 2014).

Fiori, J. L. (2013). O Brasil e seu “entorno estratégico” na primeira década do século XXI. In E. Sader (Org.), 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo.

Garcia, A. S., Kato, K., & Fontes, C. (2013). A história contada pela caça ou pelo caçador? Perspectivas sobre o Brasil em Angola e Moçambique. Instituto PACS - Políticas Alternativas para o Cone Sul. Disponível em: http://www.pacs.org.br/​ (consultado em 10 de dezembro de 2014).

Goldman Sachs. (2001). Building better global economic BRICs. Disponível em: http://www.goldmansachs.com/​our-thinking/​archive/​building-better.html (consultado em 18 de julho de 2014).

HRW (Human Rights Watch). (2013). O que é uma casa sem comida? O boom da mineração em Moçambique e o reassentamento. Disponível em: http://www.hrw.org/​sites/​default/​files/​reports/​mozambique0513port_ForUpload_0.pdf (consultado em 25 de julho de 2014).

IHU (Instituto Humanitas Unisinus). (2011). Moçambique: “O menino bonito” da Vale. Entrevista Especial com Jeremias Vunjanhe. IHU on-line. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/​entrevistas/​500479-mocambique-o-menino-bonito-da-vale-entrevista-especial-com-jeremias-vunjanhe (consultado em 27 de julho de 2014).

Leite, I. C. (2012). Cooperação Sul-Sul: Conceito, história e marcos interpretativos. Observador On-line, 7(3), 1-40. Disponível em: http://www.plataformademocratica.org/​Publicacoes/​22142.pdf (consultado em 15 de julho de 2014).

Madeira, L. M., Hellmann, A., & Medeiros, K. (2011). O Brasil na ação coletiva Sul-Sul para o desenvolvimento social. Carta Internacional, 6(2). Disponível em: http://cartainternacional.abri.org.br/​index.php/​Carta/​article/​view/​36 (consultado em 18 de julho de 2014).

Pino, B. A. (2012). Transformações globais, potências emergentes e cooperação Sul-Sul: Desafios para a cooperação europeia. Cadernos CRH, 25(65), 233-249.

Pino, B. A., & Leite, I. C. (2010). La cooperación Sur-Sur de Brasil: Proyección solidaria y política exterior. In B. Ayllón & J. Surasky (Orgs.), La cooperación Sur-Sur en Latinoamérica: Utopía y realidade (pp. 69-101). Madrid: Catarata.

Ramanzini Junior, H., & Ribeiro, P. F. (2013). As relações bilaterais Brasil-China: Uma relação em processo de afirmação. Carta Internacional, 8(1), 165-187.

Santos, B. S. (2012). Moçambique: A maldição da abundância? Carta Maior. Disponível em: http://www.cartamaior.com.br/​?/​Coluna/​Mocambique-a-maldicao-da-abundancia- /26864 (consultado em 05 de julho de 2014).

SEGIB (Secretaría General Iberoamericana). (2014). Informe de la cooperación Sur-Sur en Iberoamérica. Disponível em: http://segib.org/​sites/​default/​files/​WEB_Sur_Sur_2013_Portugues.pdf (consultado em 26 de julho de 2014).

Soares Leite, P. (2008). O Brasil e a cooperação sul-sul em três momentos de política externa: Os governos Jânio Quadros/João Goulart, Ernesto Geisel e Luiz Inácio Lula da Silva. Dissertação de mestrado em Relações Internacionais, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.

Thomas, A. (2000). Meanings and views of development. In T. Allen, & A. Thomas (Eds.), Poverty and development into the 21st century (pp. 23-48). Oxford: Open University & Oxford University Press.

Zorzal e Silva, M. (2014). Cooperação Sul-Sul, investimentos externos e desenvolvimento: Existem novas perspectivas a partir do sul global? Cadernos de Estudos Africanos, 27, pp. 33-54. Disponível em: http://cea.revues.org/​1454 (consultado em 06 de julho de 2014).

Publicado
2018-06-08