Identidade e Estilo em Lisboa: Kuduro, juventude e imigração africana

  • Frank Nilton Marcon Universidade Federal de Sergipe (UFS), Aracaju, Brasil
Palavras-chave: imigração, Lisboa, identidade, africanos, estilo de vida

Resumo

O kuduro é um estilo de dança e música que chegou a Portugal através da imigração africana. Recentemente, passou também a ser produzido entre jovens imigrantes ou descendentes na região metropolitana de Lisboa. Em tal contexto, formaram-se redes de produtores e consumidores de kuduro e se estabeleceram formas de sociabilidade nos bairros de Lisboa e dos municípios em seu entorno onde vivem as populações de imigrantes e seus descendentes oriundos de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe. É através das formas de expressão, da produção, da circulação e do consumo do kuduro que proponho analisar como se estabelecem sentidos compartilhados de identificação e diferença entre estes jovens.

Referências

Appadurai, A. (2004). Dimensões culturais da globalização: A modernidade sem peias. Lisboa: Teorema.

Barth, F. (1998). Grupos étnicos e suas fronteiras (E. Fernandes, Trad.). In Poutignat, P., & Streiff-Fenart, J., Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP (Obra original publicada em 1995).

Bauman, Z. (1999). Modernidade e ambivalência (M. Penchel, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Obra original publicada em 1925).

Bennet, A. (1999). Subcultures or neo-tribes? Rethinking the relationship between youth, style and musical taste. Sociology, 33 (3), 599-617.

Bourdieu, P. (2007). A distinção: Crítica social do julgamento (D. Kern & G. J. F. Teixeira, Trads.). São Paulo & Porto Alegre: Edusp & Zouk (Obra original publicada em 1979).

Bringel, M. M. da C. (1998). Kuduro, flamengo e rap: Identidades culturais salientes num contexto escolar urbano. Dissertação de Mestrado em Antropologia. Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Carvalho, J. D. de. (2009). A política de imigração do Estado português entre 1991 e 2004. Teses do Observatório da Imigração, 26. Lisboa: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Contador, A. C. (2001). Cultura juvenil negra em Portugal. Oeiras: Celta.

Feldman-Bianco, B. (2002). Entre a fortaleza da Europa e os laços afetivos da irmandade luso-brasileira: Um drama familiar em um só ato. In Bastos, C., Almeida, M. V. de, & Feldman-Bianco, B. (Orgs.), Trânsitos coloniais: Diálogos críticos luso-brasileiros. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Ferreira, V. S. (2008). Marcas que demarcam: Tatuagem, body piercing e culturas juvenis. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Ferreira, V. S. (2012). Resistência versus existência? A dimensão política das microculturas juvenis. In Dayrell, J., Nogueira, M. A., Resende, J. M., & Vieira, M. M. (Orgs.), Família, escola e juventude: Olhares cruzados Brasil - Portugal (pp. 344-371). Belo Horizonte: Uni-versidade Federal de Minas Gerais.

Fradique, T. (2003). Fixar o movimento: Representações da música rap em Portugal. Lisboa: Dom Quixote.

Gilroy, P. (2001). O Atlântico negro. Modernidade e dupla consciência. São Paulo & Rio de Janeiro: 34 & Universidade Cândido Mendes - Centro de Estudos Afro-Asiáticos.

Goffman, E. (1975). Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Guiot, O. (2009). Os processos de negociações identitárias nas culturas expressivas juvenis. O caso do kuduro na Área Metropolitana de Lisboa. Dissertação de Mestrado em Imigrações Inter-Etnicidades e Transnacionalismo. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Gusmão, N. M. M. de. (2004). Os filhos da África em Portugal: Antropologia, multiculturalidade e educação. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Hall, S. (2003). Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Hall, S., e Jefferson, T. (Eds.) (1976). Resistance through rituals: Youth subcultures in post-war Britain. Londres: Hutchinson.

Hebdige, D. (2004). Subcultura. El significado del estilo (C. Roche, Trad.). Barcelona: Paidós (Obra original publicada em 1979).

Machado, F. L. (1994). Luso-africanos em Portugal: Nas margens da etnicidade. Sociologia - Problemas e Práticas, 16, pp. 111-134.

Machado, F. L. (2008). Filhos de imigrantes africanos no mercado de trabalho: Acessos, perfis e trajectos. In Peixoto, J. (Org.), Revista Migrações - Número Temático Imigração e Mercado de Trabalho, 2, pp. 121-158.

Machado, F. L., & Azevedo, J. (2009). A investigação sobre imigração e etnicidade em Portugal: Tendências, vazios e propostas. Revista Migrações, 4, pp. 7-31.

Pais, J. M. (2003). Culturas juvenis (2ª ed). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Rosales, M. V., Jesus, V., & Parra, S. (2009). Crescer fora de água?: Expressividades, posicionamentos e negociações identitárias de jovens de origem africana na região metropolitana de Lisboa. Estudos e Documentos do Observatório da Imigração, 37. Lisboa: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Rosário, E., Santos, T., & Lima, S. (2011). Discursos do racismo em Portugal: Essencialismo e inferiorização nas trocas coloquiais sobre categorias minoritárias. Estudos e Documentos do Observatório da Imigração, 44. Lisboa: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Seabra, T., & Mateus, S. (2010). Trajectórias escolares, propriedades sociais e origens nacionais. Sociologia: Revista do Departamento de Sociologia da FLUP, XX, pp. 411-424.

Thornton, S. (1996). Club cultures. Music, media and subcultural capital. Middletown, Con-necticut: Wesleyan University Press.

Publicado
2016-01-22