Relação entre a histeresis da córnea e a espessura da lâmina crivosa no glaucoma primário de ângulo aberto e glaucoma pseudoesfoliativo.

  • Catarina Pedrosa Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca
  • Mafalda Mota
  • Diana Silva
  • Maria Lisboa
  • Leonor Almeida
  • Fernando Trancoso Vaz

Resumo

Objectivos: Este estudo visa analisar a relação entre a histeresis da córnea (HC) e a espessura da lâmina crivosa (LC) em doentes com glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA) e glaucoma pseudoesfoliativo (GPS), comparando também os resultados entre os grupos.

Material/Métodos: Estudo transversal que incluiu doentes com o diagnóstico de GPS e GPAA. Registaram-se os dados demográficos, as espessuras da LC e da camada de fibras nervosas peri-papilar (CFNPP) segmentar e global, a pressão intra-ocular (PIO), o mean defect (MD) da perimetria estática computorizada (Octopus®), a HC e o factor de resistência corneano, de todos os doentes incluídos no estudo. Para a análise dos dados recorreu-se aos testes de Mann-Whitney e Spearman (SPSS®). A significância estatística foi estabelecida para p<0.05.

Resultados: Foram incluídos 29 olhos (18 doentes) com GPS e 28 olhos (19 doentes) com GPAA. Verificou-se a correlação entre a espessura da LC e a HC no grupo GPAA (Spearman r=-0.370, p=0.048). A mediana da HC revelou-se significativamente inferior no GPAA (p=0.006) e a mediana da espessura da LC, significativamente inferior no grupo GPS (p<0.001).

Conclusão: Este estudo revelou uma associação entre a HC e a espessura da LC nos doentes com GPAA, e confirmou a menor espessura da LC nos doentes com GPS, relativamente aos doentes com GPAA. Ambos poderão constituir importantes factores de prognóstico do GPAA e GPS. No entanto, são necessários mais estudos de forma a avaliar as consequências clínicas e terapêuticas dos resultados apresentados.

Publicado
2016-10-18
Secção
Artigos originais