Estudo da relação entre a Atividade Física e a função respiratória: análise da composição corporal e dos valores espirométricos de alunos Portugueses e Italianos

  • Rui Miguel Paulo Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco, Portugal
  • João Manuel Petrica Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Castelo Branco, Portugal FCT and CI&DETS (Pest-OE/CED/UI4016/2011)
  • Júlio Cardoso Martins Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal CIAFEL-Centro de Investigação em Actividade Física, Saúde e Lazer, Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Portugal
  • Filippo Pichetto Scuola Universitaria Interfacoltà in Scienze Motorie, Torino, Italia
  • Flavio Alberto Faure-Rolland Scuola Universitaria Interfacoltà in Scienze Motorie, Torino, Italia
  • Francesca Magno Scuola Universitaria Interfacoltà in Scienze Motorie, Torino, Italia Motor Science Research Center, University School of Motor and Sport Science (SUISM), University of Torino, Italy

Abstract

Objetivou-se analisar a influência e a relação da atividade física (AF) na composição corporal e nos valores espirométricos, relacionando esses indicadores com a função respiratória. Amostra com 179 indivíduos (85 Italianos; 94 Portugueses) alunos do ensino superior, dividida em três grupos: GESC+EXERC - 64 alunos com AF supervisionada, curricular e extracurricular, mínimo 4 sessões/semana; GESCOLA - 66 alunos com AF supervisionada, curricular, mínimo 2 sessões/semana; GSEDENTÁRIOS - 49 alunos sedentários. Aplicou-se uma adaptação do questionário de Telama et al. (1997), avaliou-se a espirometria através do espirómetro Microquark/Cosmed, o IMC e perímetro da cintura (PC). Após a verificação da normalidade da amostra (Kolmogorov-Smirnov), utilizou-se a Análise de variância e o teste não paramétrico Mann-Whitney. Utilizou-se ainda o teste de correlação de Spearman. O GESC+EXERC dos dois países obteve melhores resultados no PC e em alguns valores espirométricos, comparativamente ao GSEDENTÁRIOS. Verificámos na amostra uma correlação positiva entre o IMC e o PC, e para os alunos Portugueses correlação negativa entre a composição corporal e alguns valores espirométricos. A Itália apresenta melhores indicadores de composição corporal, enquanto Portugal os apresenta na espirometria. Há evidências que os alunos que praticam exercício supervisionado apresentaram melhores indicadores de composição corporal e na função respiratória.

Author Biographies

Rui Miguel Paulo, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco, Portugal

Unidade Técnico-Científica de Ciências, Desporto e Artes

Área Científica de Desporto e bem-estar

João Manuel Petrica, Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Castelo Branco, Portugal FCT and CI&DETS (Pest-OE/CED/UI4016/2011)

Unidade Técnico-Científica de Ciências, Desporto e Artes

Área Científica de Desporto e bem-estar

Júlio Cardoso Martins, Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal CIAFEL-Centro de Investigação em Actividade Física, Saúde e Lazer, Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Portugal

Departamento de Ciências do Desporto

Flavio Alberto Faure-Rolland, Scuola Universitaria Interfacoltà in Scienze Motorie, Torino, Italia
Struttura Interdipartimentale in Scienze Motorie
Francesca Magno, Scuola Universitaria Interfacoltà in Scienze Motorie, Torino, Italia Motor Science Research Center, University School of Motor and Sport Science (SUISM), University of Torino, Italy
Struttura Interdipartimentale in Scienze Motorie
Published
2015-04-30
Section
Original Article