Qualidade de vida e síndrome metabólica em mulheres brasileiras: análise da correlação com a aptidão aeróbia e a força muscular

  • Tatiane Gomes Teixeira Programa de Pós-Graduação stricto sensu da Faculdade de Educação Física da Universidade Católica de Brasília – Brasília / DF / Brasil
  • Ramires Alsamir Tibana Programa de Pós-Graduação stricto sensu da Faculdade de Educação Física da Universidade Católica de Brasília – Brasília / DF / Brasil
  • Dahan da Cunha Nascimento Programa de Pós-Graduação stricto sensu da Faculdade de Educação Física da Universidade Católica de Brasília – Brasília / DF / Brasil.
  • Renato André Sousa da Silva Programa de Pós-Graduação stricto sensu da Faculdade de Educação Física da Universidade Católica de Brasília – Brasília / DF / Brasil. Centro Universitário Euro Americano (UNIEURO) – Departamento de Educação Física - Brasília/DF/Brasil.
  • Jeeser Alves de Almeida Programa de Pós-Graduação stricto sensu da Faculdade de Educação Física da Universidade Católica de Brasília – Brasília / DF / Brasil.
  • Sandor Balsamo Centro Universitário Euro Americano (UNIEURO) – Departamento de Educação Física - Brasília/DF/Brasil.
  • Fabricio Azevedo Voltarelli Universidade Federal de Mato Grosso - Faculdade de Educação Fisica – Campus Cuiabá / Mato Grosso / MT / Brasil.
  • Jonato Prestes Programa de Pós-Graduação stricto sensu da Faculdade de Educação Física da Universidade Católica de Brasília – Brasília / DF / Brasil.

Abstract

A síndrome metabólica (SM) é definida pela presença de, ao menos três, dentre cinco fatores de risco cardiovascular: hiperglicemia, resistência à insulina, obesidade, dislipidemia e pressão arterial elevada. Embora portadores de SM apresentem baixa aptidão física e pior qualidade de vida (QV), quando comparado aos indivíduos sem SM, ainda não foram investigadas as correlações entre a aptidão física e a QV em mulheres com SM. O objetivo do presente estudo foi comparar a QV, força muscular e aptdião aeróbia, bem como analisar a correlação entre a QV e a aptidão física de mulheres com e sem SM. Participaram do estudo 49 mulheres, 21 com SM (33.5 ± 9.1 anos) e 28 sem SM (32.3 ± 7.9 anos). Para avaliação da QV, aptidão aeróbia e força muscular foram utilizados, respectivamente, o questionário Short Form Health Survey 36 (SF-36), o teste de caminhada de 6 minutos (6-C) e o teste de preensão manual. As mulheres com SM apresentaram pior QV, percorreram menor distância no 6-C e obtiveram menor força muscular relativa. Foi observada correlação positiva entre a aptidão aeróbia e quatro domínios da QV: capacidade funcional, limitação por aspectos físicos, dor e aspectos sociais da funcionalidade. Mulheres com SM apresentam menor de força muscular e aptidão aeróbia, bem como piores escores de QV no estado de saúde geral, capacidade funcional, dor no corpo, limitação por aspectos emocionais, aspectos sociais da funcionalidade e limitação por aspectos físicos quando comparado com mulheres sem SM.

Published
2015-08-18
Section
Original Article